Em direção ao respeito à diversidade na surdez

20 palpites

  1. inês disse:

    Aplausos!…É uma luta difícil, a do direito à opção por modo de comunicação (recepção e produção de mensagem) para o surdo, independentemente do grau, tipo, data de aquisição de surdez…etc e tal…Eu como pessoa (surda ou não) não quero impor aos outros a minha maneira de estar na vida, de pensar, de me relacionar com os outros…portanto também não admito que o queiram fazer comigo e rótulos, também os recuso. Liberdade de escolha, sempre…sem que a minha liberdade implique a perda de liberdade dos outros. Só e apenas!
    E sim, a minha defici~encia auditiva é apenas uma característica minha, tal como a minha deficiência visual (miopia), tal como o ser alta e morena, tal como gostar de ler e escrever…sou, acima de tudo, um ser humano!
    bjs,
    Inês

  2. Ferris disse:

    Individualidades sempre devem prevalecer… sem contar que é altamente contraditório alguém querer falar de inclusão e segregar opções de pessoas dentro de sua própria categoria…
    Acho que quanto mais nomenclaturas e categorias inventarem, mais desigual a coisa fica… Pessoas são indivíduos, com o perdão da redundância, e todas tem suas idiossincrasias…
    É como eu sempre digo: não há nada mais igualitário no mundo do que a burrice, ela não discrimina, cor, raça, credo, etnia ou deficiência…

  3. Bruna disse:

    Obrigado pelo belíssimo texto!
    Um ótima semana pra vc!
    Bjs

  4. April disse:

    É uma pena existir esse tipo de preconceito, a mim parece medo da novidade e inveja de quem tem coragem de experimentar….
    bjs.

  5. Judy disse:

    Lak, o texto é incrível, mas achei o vídeo apenas… bobo. Só bobo.

    Estarei sendo insensível à questão? Não sei. Penso em piadas que me atingiriam por minhas características pessoais e acho mesmo bobo, como aquele programa (Saturday Night?) que me fazia mudar de canal pelo alto teor de babaquice por segundo…

    Agora, “Orgulho Surdo”? É o fim, como qualquer orgulho nazista, mesmo.

  6. SôRamires disse:

    Valeu divulgar o texto da Anahi. O ponto de vista de uma pessoa implantada que construiu e constrói sua vida e carreira em cima de sua identidade de ser humano completo e não simplesmente uma “identidade surda”.

    Orgulho de nascer assim ou assado? A gente deve ter orgulho das coisas que realiza na vida ou que pelo menos tenta realizar.
    Acho infelizmente que existem outros interesses não declarados quando se ataca tão violentamente uma prática médica que pode ajudar as pessoas a ouvir.
    Existem interesses de escolas, professores, ideólogos, muita gente que nem é surda mas vive em função do “mundo dos surdos entendido como mundo da língua de sinais”.
    Não podemos admitir que a sociedade seja “bombardeada” com afirmações equivocadas como “todo surdo é mudo” (absurdo erro uma vez que o aparelho fonador existe e funciona na maioria dos casos, apenas por falta de audição deixa de ser usado e treinado) e consequentemente “todo surdo usa lingua de sinais”.

    Por isso me identifico como SULP – Surda Usuária da Língua Portuguesa (e outras mais…porque a gente é mesmo metida n`est-ce pas?)
    A propósito alguém já viu um muletante falar mal das cadeiras de rodas?
    Uma pessoa de baixa visão atacar o transplante de córneas?

    Claro que existem grupos religiosos que se opõe à transfusão de sangue mas isso deve ficar no âmbito de quem pratica tais religiões e não valer como premissa para atacar uma prática médica e querer criar regras para a sociedade como um todo.

    Essa discussão cansa mas não podemos deixar de divulgar nossos pontos de vista, afinal ainda há jornalistas que usam o termo “surdo-mudo”… 🙂 🙂 🙂 Parabéns à Lak e à Anahí.

  7. Rogério disse:

    Eu poderia ser simplista e apenas citar Nelson Rodrigues: não há nada mais humilhante que a coragem alheia. Tem gente com coragem (além de condições financeiras e indicação clínica) de fazer o IC, outros hesitam ou simplesmente não se aventuram. Normal. Mas parece que a coisa transcende o humor de qualidade horrorosa (deve ser inglês), com atores de esquina apresentado no vídeo. Tem interesses outros por aí.
    Beijinho, fofa.

  8. Renata disse:

    Muito bom o texto da Anahi. Os seus sempre sao otimos! A luta continua… Beijinho

  9. Simone disse:

    Eu sei que foi faz tempo…mas ADOREI este post, ainda que há o video que é tão cômico, deu para rir, sim!
    Valeuuuu!!
    Beijos.
    Simone.

  10. Daniela disse:

    Anahi falou tudo!! Amei ler este post, cada um tem sua individualidade e deve ser respeitado….nem todo surdo está sujeito a obrigação de aderir a Língua de Sinais, apenas é uma OPÇÃO.