5º Encontro da ADAIC (MT): Como Foi

É com enorme satisfação que venho contar para vocês como foi o encontro de implantados que estive, em Cuiabá.

Na verdade, não foi apenas uma festinha, como costumam ser vários encontros, mas um evento dedicado ao IC, com direito a palestras, debates e um lançamento regional do “Desculpe, não ouvi!” versão livro (eu sei que soou um tantinho arrogante esse comentário do livro, mas não consigo ser modesta aí sem parecer falsa).

Eu já estava empolgadíssima de ir a Cuiabá, por dois motivos, independentemente do livro. Um deles, era que eu nunca tinha estado no Mato Grosso. E o outro, é que eu iria conhecer a Patricia Scharff, mãe de três crianças implantadas com excelente resultado, cujo caso eu conhecia através da Revista Ouvir Bem, lá da Fundação de Otorrinolaringologia do HCFMUSP. E admirava a força e a leveza com a qual a Patricia contou sua história na revista, por isso, já era mega fã dela. E fiquei honrada de levar meu livro à Cuiabá,  a convite da própria Patrícia!

O evento em si, foi muito bem organizado, com apoio do Hospital Otorrino.

A cerimônia de abertura, contou com um belo discurso do Diretor do Hospital Otorrino, Dr. Alonso e outro da presidente da ADAIC, Joselia Queiroz, mãe do Julio, que é implantado.

Depois a abertura, leram  o texto que o Dr. Koji me mandou por email e virou capitulo final do meu livro. Fiquei emocionadissima com essa surpresa. E realmente acho que esse texto é tudo o que um paciente quer ouvir: que o médico torce por ele. Que não está tratando apenas a orelha, mas enxergando uma pessoa inteira!

Em seguida, tivemos uma belíssima palestra com uma fonoaudióloga, Fga. Flavia, sobre o desenvolvimento auditivo da criança implantada e como trabalhar a reabilitação auditiva.

E uma palestra do Dr. Koji, sobre o implante coclear, comunicação e surdez.

Após o término dessas duas palestras, houve debate e almoço. O povo foi muito participativo no debate. Tinham muitas dúvidas e questões a esclarecer.  Nessas horas, a gente percebe a importância de haver esse tipo de evento, que vai além de um encontro informal com festinha. Não que as festas sejam ruim, o importante é que haja as duas modalidades de encontros de implantados.

À tarde, tivemos uma palestra com a psicóloga do Espaço Escuta, Carla Rigamonti, mostrando o belíssimo trabalho realizado em conjunto com a família das crianças usuárias de implante.

E outra palestra sobre os direitos as pessoas com deficiência auditiva, com a Geraldine  Brandeburski. Dine dividiu o tempo de fala com a pedagoga Flávia Terra Lima, que falou sobre inclusão escolar da criança com deficiência auditiva….

Todas as palestras foram informativas, interessantes e certamente acrescentaram muito para as famílias de crianças implantadas e candidatas ao implante coclear, ali presente. Mas também, para as estudantes de fonoaudiologia, que foram se informar mais sobre o implante….

Em resumo: Nota 10 para a organização do evento! Nunca vi tantas pessoas tão competentes e engajadas juntas. O evento foi excelente, bem organizado e muito interessante. Realmente, fiquei honradíssima de ter participado! E muito feliz de saber que os implantados do Mato Grosso, são muito bem representados e auxiliados pela ADAIC!

Houve muitos comentários a respeito do meu livro. E boa parte deles, falava sobre o apoio que viram que eu tive, da minha mãe, ao ler meu livro. Sabe o que é engraçado? Eu falo dela com tanta naturalidade, que nem percebo que ela se destaca tanto no livro. Mas, realmente, muita gente comenta dela. Tanto que sugeri que, num próximo evento, ela possa dar um depoimento por si própria, sobre como foi encarar a minha surdez…

Falando em discurso, eu tive 5 minutos para falar na abertura e depois, soube que filmaram. Então, compartilho com vocês um trechinho da minha fala….

Beijinhos sonoros,

Lak