Ah, mas o Implante Coclear não é pra todo mundo…

Qualquer pessoa que use, divulgue, conheça alguém que usa Implante Coclear, já deve ter ouvido essa frase dita em tom de desdém, dada a cultura anti-IC que existe por aí, responsável por espalhar um monte de bobagens e lendas sobre o IC.

Nada contra adolescentes e adultos surdos serem contra o implante coclear neles. Ser obrigado a usar uma tecnologia que a gente não está afim, é burrice, perda de tempo, dinheiro e paciência (dos outros, principalmente). Afinal, eu respeito o direito de escolha individual de cada pessoa surda ou família, no caso de crianças.

Mas, é importante enfatizar que o IC realmente não é pra todo mundo, nem para qualquer tipo de surdez. Ele é uma dentre diversas tecnologias disponíveis no mercado, indicado para casos de surdez neurossensorial (mais sensorial do que neural) bilateral severa a profunda, para aqueles que tem pouca ou nenhuma discriminação sonora das frequências da fala – sim, é a compreensão da fala que define o sucesso da audição – com as próteses convencionais que devem ser testadas antes da cirurgia do IC. Mas também é importante que a pessoa não sofra de otite crônica, porque isso também é uma contra indicação para o IC.

Agora, há outros casos de surdez que possuem outras tecnologias mais indicadas, como:

AASI (Aparelho de Amplificação Sonora Individual) é indicado para os casos de perda leve, moderada e severa, podendo também ser indicado para perda profunda, quando a pessoa tem uma perda regular em todas as frequências. Ele serve de amplificador do som, usando a audição residual da pessoa, de maneira satisfatória. A maioria dos usuários com perda moderada e severa tem ganho significativo com o aparelho e é capaz de falar ao telefone tranquilamente. Possui diversas versões: microcanal, intracanal, retroauricular e miniretroauricular. Não requer cirurgia. Normalmente é indicado por fonoaudiólogas. Como qualquer prótese auditiva, requer tempo de aprendizado para se entender com ele.

– O AASI possui também uma versão totalmente interna, sem qualquer parte externa, implantado cirurgicamente. Geralmente, para casos de perda moderada/severa, com boa discriminação da fala. A vantagem dele é poder ser usado 24hs por dia, inclusive para dormir, tomar banho e nadar, coisas que as outras tecnologias não permitem, e segundo o fabricante, há redução de ruído, por conta da proteção do microfone. A cirurgia foi aprovada pela Anvisa em 2011 e já está a disposição no mercado. Não sei dizer se o SUS cobre essa cirurgia.

– Sistema Baha (bone anchored hearind aid) é o implante de condução óssea, indicado para os casos de perda unilateral ou condutiva ou mista. Ele faz o som ser conduzido até a cóclea por condução no osso, tal qual diz o nome. Pode ser usado de um lado (nas perdas unilaterais) ou bilateral (no caso de perdas mistas/condutivas). A cirurgia é feita em consultório médico, com anestesia local e possui parte externa.

Implante Coclear Híbrido: é uma versão do IC que se mescla com o AASI. É indicado para quem tem perda apenas nos sons médios e agudos, com boa audição residual de sons graves. A parte de AASI do aparelho, amplia os barulhos em frequencias graves, aproveitando a audição natural da pessoa  e a parte de Implante Coclear, conduz e reproduz as frequencias médias e agudas na cóclea. A cirurgia é coberta pelo SUS.

– Implante de Tronco Encefálico: É uma versão do IC onde os eletrodos são ligados diretamente no nervo auditivo, para os casos em que não há possibilidade de fazer o IC tradicional, por conta da ausência ou dano total da cóclea. É um aparelho que ainda tem poucos usuários pelo mundo, por conta da delicadeza da cirurgia. Tenho quase certeza que a cirurgia também é coberta pelo SUS, embora eu não confirme.

– Casos em que a pessoa perdeu o período crítico de formação da linguagem, nunca usou aparelho e/ou não tem o menor interesse de ouvir nem mesmo através de próteses.

Como vocês podem observar, o IC realmente não é para todo mundo nem é todo mundo que pode fazer o IC. Taí uma verdade!

Quanto a mim, usuária do IC, continuo afirmando que o IC é a maior dádiva que recebi na vida! Sou grata a cada segundo ouvindo cada sonzinho mais besta que ele me permite. Graças a Deus eu era caso de implante coclear!

Beijinhos sonoros,

Lak

 

12 palpites

  1. greize disse:

    Falta de informação gera isso,eu li que em uma novela ia abordar.Cama de gato, até colocaram CC para isso, mas barraram.Usaram a palavra cirurgia e menino aparecia com um algodãozinho na orelha.Tdo mal explicado.IC, não cura surdez, pode ter problemas sim, como toda cirurgia, antes de entrar na faca saiba de tudo que pode acontecer(até mesmo vc não ouvir como pensou).Pois é uma decisão sua, leia tudo a respeito.Tem gente que não quer o IC e não é contra, e tem gente que não quer e é contra.Vamos cada um escolher o que é melhor para si, e deixe o outro escolher em paz!!!bjim

  2. Gabriela Viana disse:

    Olá Lak, muito interessante esse post, despertou minha curiosidade, sou a Gabi, quando tinha 15 anos eu queria fazer IC, mas não fui aceita, minha cóclea é perfeita mas meu nervo auditivo não, é atrofiado, mas eu não sabia que existia o Implante do Tronco Encefálico, buscarei mais informação sobre isso pra entender melhor. 😀 😀

    • laklobato disse:

      Gabriela, eu preciso fazer um post sobre o ITE aqui pro DNO, porque até hoje, não tenho nada sobre o assunto.
      Mas, que eu saiba, o único programa de IC do Brasil que também faz o ITE é no HC de São Paulo. Dá uma olhada no site deles: http://implantecoclear.org.br
      Boa sorte!
      Beijocas

  3. Andrea disse:

    Muito bom esse post Lak..
    Eu sempre me pergunto se um dia talvez eu venha a precisar de algo diferente do aparelho auditivo que utilizo hoje e se há outras tecnologias que possam me ajudar a escutar melhor.
    Você é uma fofa… e também defendo que cada um tem que procurar aquilo que seja melhor para si…
    Beijos estralados.

    • laklobato disse:

      Pois é, não tem porque ficar falando mal do IC, como se quisessem obrigar todo surdo a ser implantado. Nenhum médico/fono/divulgador do IC é insano de indicar uma tecnologia tendo outra mais adequada pra pessoa.
      Não é pro seu caso? Beleza. Se o AASI faz o trabalho dele e seu ganho com ele é satisfatório, é o que importa.
      Beijos

  4. greize disse:

    É mesmo.E eu Não sou implantada caso as pessoas pensem.rsrrs.Tenho amigos oralizados, Sinalizados e ouvintes 😉

  5. Luiz Leonardo disse:

    Muito bom texto.

  6. Thiago disse:

    Tenho uma clinica de aparelhos auditivos e sempre que posso acompanho seu blog. Texto muito bom. Parabéns

  7. Germana disse:

    Concordo com vc Lak. Completei 1 ano de implantada esse mes e não sei mais viver sem ele. Tambem estou no dilema de fazer ou não o outro lado. Porem o que me segura é a esperança de que apareça uma tecnologia mais avançada, de um aparelho que não precise da parte externa, que no meu caso (perda profunda), ainda não tem disponível. 😳
    Um abraço.
    Germana

    • laklobato disse:

      é, mas sabe, cada momento perdido não volta, então, não quero esperar novas tecnologias não. O lance, mesmo, é vencer a preguiça e driblar o peso financeiro que representa hehe
      Beijos