Curtir momentos de silêncio: Será que eu sou normal?

não perturbeVocê perdeu ou nasceu sem audição. E cresceu ou passou uma parte da vida adulta com prótese auditiva, que nem sempre dava um retorno auditivo satisfatório, daqueles com o qual a gente sonha. Uma audição que permitisse entender uma conversa sem leitura labial; ouvir música; arriscar um recado pelo telefone ou meramente acompanhar uma aula com facilidade…

Você encarou uma cirurgia na região da cabeça, com anestesia geral. Aguentou os 30 (ou mais) dias de ansiedade. Passou por uma ativação que demorou uma eternidade (só parece, na verdade, leva 1h). Passou por uma fase (às vezes longa) de adaptação. E se encanta diariamente com as milhares de (re)descobertas sonoras.

Só que, de vez em quando, uma vez por semana, num final de semana por mês, às vezes,  quando você chega em casa à noite… Você sente vontade de curtir o silêncio. De desligar o aparelho e não ouvir nada por um tempo. Você tira o aparelho da orelha. E faz uso da leitura labial, mesmo ela já não sendo tão boa quanto antes. Ou então, apela para a LIBRAS, caso você saiba. Você assiste televisão com legenda. Você ignora o telefone, a campainha, nem quer saber de música. Será que você é normal?

Você sabe que se for falar com sua fono, com seu médico, vai levar uma bronca. Sabe que o aparelho deve ser usado sempre. Sabe que só deve ser tirado para dormir e tomar banho. Que o nervo auditivo precisa de estimulo constante para não atrofiar. Sabe que quanto maior o tempo de uso, mais rápida é a adaptação do cérebro. Mas mesmo assim, você precisa do eu tempo de silêncio.

Você se afasta dos amigos fanáticos pelo IC. Alguém que vive e respira IC 24h por dia, jamais entenderia essa necessidade de ficar sem aparelho às vezes…

Os pais de crianças pré ou pós implantadas que não nos leiam. Criança é diferente, porque está em fase de aprendizado, de aquisição de linguagem. Elas precisam seguir a risca todas as recomendações das fonos e médicos.

Mas, sendo adulto, é outra história. Para quem viveu anos em silêncio, o barulho cansa. E não tem forma mais agradável de descansar a cabeça do que silenciar o mundo. Chegar em casa, depois de um  dia barulhento, com chefe dando bronca, reuniões intermináveis com gente falando o tempo todo, televisão ligada em restaurante, motoqueiros alucinados buzinando no trânsito. Chegar em casa, desligar os aparelhos, silêncio. É quase como ativar a paz interior em questão de segundos. O mundo aquieta, ninguém mais invade sua bolha silenciosa.

Eu sei que vou ser achincalhada pelos profissionais da área, sei que vou ser criticada pelas pessoas que jamais desligam o IC, sei que não deveria falar sobre isso, mas a verdade é que poder desligar o IC, às vezes, é uma delícia.

Amo ouvir mais que tudo, amo o privilégio de escutar cada barulhinho que a vida oferece. Mas também amo o silêncio. Silêncio que concentra, que descansa, que isola da chatice do mundo.

Se você também gosta de desligar o IC de vez em quando, se pergunta se isso é normal e gostaria de saber a minha opinião a respeito?

Aqui entre nós, talvez a normalidade seja hipervalorizada e abdicar de ser normal de vez em quando seja bem saudável.

A gente pode até não recomendar. Pode até não incentivar. E pode até evitar do assunto, para não criar polêmica. Mas, no fundo, tem horas que o botão de off é uma dádiva. Privilégios de quem tem! Certeza que se muitos ouvintes adorariam poder desligar a audição de vez em quando!

Beijinhos sonoros e silenciosos, conforme preferência,

Lak

9 palpites

  1. Marta Gil disse:

    Lak, ao ler seu texto, pensei no papel da meditação: silenciar o externo, prá entrar em contato com o interno.

    São muitas “vozes”, fora de nós e também dentro. É essencial – para mim e para outros – aprender a cultivar o silêncio interno.

    Não sei se faz sentido. Fez prá mim, ao ler o seu texto.

    • Lak Lobato disse:

      É, talvez sem querer, esteja falando algo similar ao efeito meditativo. E, para falar a verdade, é quase meditativo mesmo, o efeito desligar o IC, após um dia cheio. Beijinhos

  2. Eliane disse:

    Lak somos privilegiados pois podemos fazer como opção o silêncio total….vejo tudo da maneira mais positiva depois que fiz meus implantes. Mas, digo e repito não vivo sem meus ICs.

  3. Haike disse:

    Sou ouvinte, e adoraria as vezes poder me “desligar” , deixar o silêncio reinar heheeh. Então vcs que aproveitem esse botão Às vezes e sejam muito felizes. Bjs

  4. Virginia disse:

    Incrível como os sentimentos e necessidades se assemelham.
    Curto muito certos momentos onde em meio a 😐 muitos barulhos dou aquela escorregadinha na antena só pra aliviar….
    Tb o momento em que deixo o IC no desumidificado aproveito para meditar!!!!
    Faz muito bem…. E sei de ouvintes que gostariam de esse privilégio TB!!!!

  5. Cinthia disse:

    Eu sempe disse isso, com IC e mesmo antes com o AASI, eu sempre valorizei o silêncio. Talvez por isso eu seja uma viciada em livros, não tem condição mais propícia para ler kkkkkkkkkkkk Assim, ninguém me atrapalhava em meu mundinho literário silencioso. Mas como vc mesma deu a entender, tudo é questão de equilíbrio. Como diz a letra de Certas Coisas: Não existiria som/ Se não houvesse o silêncio/Não haveria luz/Se não fosse a escuridão…A vida é mesmo assim, dia e noite, não e sim…