Diário de bordo…

Faz tempo que não conto das minhas peripécias com o Implante Coclear, né? Tenho sido bonita (mais) e falado só coisas sérias, relevantes e informativas no blog.

Mas hoje, vou parar de fingir que sou tudo isso aí a cima e voltar a fazer meu diário de viagem ao universo sonoro, posso? Valeu…

Há umas semanas, cai de cama, com um principio de bronquite regado à tosse e febre. Pedi 2 dias de licença na agência  (até porque ninguém estava aguentando trabalhar com meu “cof cof cof”) e fiquei em casa. No primeiro dia, dei-me ao luxo de descansar os ouvidos também, porque nem eu não estava aguentando o barulho da tosse hahaha, so fui usar os aparelhos à noite, quando o Edu chegou e eu queria ouvir a voz dele.

Mas, como não posso abusar disso de ficar sem o IC muito tempo – senão desacostumo – no dia seguinte, tive que ficar o dia todo com ele, claro. Além do mais, meu pai se convidou para me visitar e eu precisava ouvir o interfone. Essa parte, como vocês sabem, já mexeu com a minha insegurança. Até porque uns dias antes, não tinha conseguido ouví-lo já que, às vezes, toca muito baixinho. Naquele dia, no entanto, quando o ouvi, não levei nem 1 segundo para reconhecer o chamado. Sabia exatamente o que era  sem qualquer dúvida. Para mim, já é uma sensação fantástica de perceber que a resposta aos chamados sonoros tem sido cada vez mais rápida.

Pude atender o interfone, ouvir o porteiro dizer algo que, deduzo, fosse “seu pai está aqui embaixo” e responder prontamente “ele pode subir”. E recebi meu pai na porta, que sorria de orelha a orelha, pela alegria de me ver atendendo o interfone, depois de tantos anos impossibilitada disso.

Durante a visita do meu pai, meu irmão ligou no telefone fixo de casa e não apenas reconheci imediatamente também, como consegui diferenciar perfeitamente do toque do interfone. São toques absolutamente distintos. Não mais aquela sensação de meramente saber que tem um som diante do silêncio (que era mais ou menos como eu ouvia com o AASI: som x silêncio apenas) mas reconhecê-los e discriminá-los com clareza e de forma imediata.

Mais tarde, foi  a vez do meu celular tocar. Como o toque era uma música (que eu reconheci como música imediatamente também) achei que pudesse ser na televisão, mas depois do terceiro toque repetitivo, procurei o celular. Não reconheci o número e não atendi, mas a pessoa retornou a ligar e, na segunda ligação, ja  reconheci o toque prontamente.

É claro que ainda tenho muita coisa a arquivar na memória auditiva. Um quarto som me deixou intrigada pela repetição. Era um “ploc ploc ploc” que ia e vinha, por vezes infinitas. Procurei pela casa toda, tentando descobrir o que poderia ser. Parecia uma martelada, mas eu não conseguia ter certeza. Chamei o Edu no Gtalk e pedi para ele ligar o audio e identificar o som pra mim. Advinhem? Martelada de algum vizinho hehehehe Ou seja, reconheci o som sim, mas ainda não tinha confiança necessária para confirmá-lo sem ajuda.

Pode parecer um processo demorado isso de reaprender a ouvir. E realmente é! Mas, para quem ficou em silêncio durante 23 anos, o próprio caminho até o objetivo é uma aventura constante!!

Se o Implante Coclear vale a pena? Ora, alguém ainda tem alguma dúvida?

Beijinhos sonoros,

Lak

28 palpites

  1. Silvia disse:

    CHOREI!!! Literalmente!!

    Tenho uma novidade procê…. Vou entrar na fila a partir de 09/08/2010… Fui chamada pelo Centrinho em Bauru….

    Agora é torcer!!!!!!!

    Beijão, saudades de vc…

  2. Gislaine disse:

    Eba, vou pedir pra galera lá de Manaus ler mais este, meu visitante foi embora ontem e já estou com saudades! Bjus Lak!

    ps. sabe que vc me dá vontade de comer Laka…rs. sempre que vejo, ou falo seu nome..rs.rs. kkkk 😀

    • laklobato disse:

      Conta sim… embora varie muito conforme o caso e a idade do paciente hehehehe
      Sobre o chocolate, ate eu tenho essas noias quando falo meu nome demais hahahahaha
      Beijos

  3. zuleid disse:

    Oi! Que coisa boa heimm!
    Autonomia de vôo! Agora você não só atende os aparelhos sonoros como consegue distingui-los e olha que até prá nós ouvintes, isto causa uma certa confusão! Mas o máximo foi descobrir o som das marteladas! Veja que não é um som do seu dia-a-dia!
    Sabe de uma coisa lak? A felicidade é composta de pequenas coisas e pequenas conquistas que nem precisam ser nossas, podem ser de pessoas que gostamos.
    De tanto me meter em sua vida sinto-me incluida em suas conquistas e elas me fazem muito bem! Hoje você me fez muito feliz com este post!
    Tá vendo como são as coisas, e você se “desculpando” para falar de si mesma!! Gentileza gera gentileza e boas atitudes geram ótimos resultados prá todos!!!!
    Beijos com som de campainha!

    • laklobato disse:

      hehehe pois é… a felicidade realmente é feita de coisinhas tão pequenas, que passam despercebidas, até a hora que faltam hihihi
      Viu que esse post foi agraciado com uma noticia de que mais uma virá pro time dos implantados, a Sickarla? 😳 Não tem como eu não ficar orgulhosa do DNO! Dai, eu fico ate sem graça de usá-lo como diário de viagem haha
      Beijos

  4. zuleid disse:

    Mas é ai que você se engana! É por ser um diário de bordo que ele baliza as pessoas que estão querendo informações reais na base do “foi assim, tá sendo assim, não sei como será!” Bem pé no chão!! Continue neste caminho que dando muito certo prá todos!!! 😥 😀 🙂

    • laklobato disse:

      Falei outro dia pra uma amiga do orkut, que disse que eu tenho sido um anjo pra ela: “sou apenas a lanterninha de algumas pessoas, por ter ido na frente. Já já, vc tá segurando a sua lanterna pra outras pessoas, que irão te seguir tb!” Hihihi porque é bem isso mesmo.
      Beijos

  5. Andressa Engel disse:

    Olá Lak….fiquei uns dias sem saperaar pelo seu blog e qdo entrei quantas novidades, adorei a matéria sobre filhos especiais, quando os pais e família encaram com naturalidade e amor as deficiencias, elas se tornam mais suaves e menos penosas, o difícil é quando o preconceito começa já dentro de casa…
    Quanto a matéria, Identifique-se….eu ri até imaginando vc conversando com seu sapinho….hehheheh. Mas saiba que eu me identifico com vc, qdo bate uma tristezinha é só vir p seu blog que ela vai embora rapidinho.
    Até a minha fono já conhece vc de tanto eu falar, ontem mesmo ela me perguntou dos seus avanços….heheehh. Ela está com uma paciente de 4 anos que fez um IC há 1 ano, mas ainda não evoluiu bem, a criança ainda não consegui sair do patamar que estava e os pais vão tentar o IC do outro lado. Com criança é mais difícil?
    Segunda feira, depois de muita enrolação, fiu tomar as vacinas…portanto já estou devidamente vacinada e daqui a 20 dias vou passar por consulta no Centrinho, e quem sabe sair de lá com uma previsão da cirurgia….
    Fale sempre de vc, das suas conquistas, isso nos norteia…
    Bjus

    • laklobato disse:

      Que bom saber que meu “trabalho” (que na verdade é mais um hobby) te ajuda tanto. Faz cada caracter do blog valer a pena!! Por mim também, que sinto ter mais uma companheira de jornada. Esse caminho que trilhamos é um dos muitos que ficam mais leves quando compartilhados.
      Olha, em geral o IC em criança costuma ser mais rápido e ter melhor resultado (salvo comparado a casos como o seu, de perda auditiva depois de adulto e por pouco tempo). Mas, é como sempre falamos, varia muito conforme o caso e a perda da pessoa. Fico triste de saber que, com ele, está estagnado.
      Então fico aqui ansiosa aguardando noticias da data da sua cirurgia!!
      Manda beijo pra sua fono por mim. Outro pra você.

  6. Simone disse:

    Lak, ainda adoro ler os seus relatos com esse IC!!! (mesmo sendo usuária de AASI)
    Ótimo dia para você e ainda desejo-lhe melhorias!
    Beijos.

  7. Rogerio disse:

    Falta pouco para você jogar tomate no palco porque o cantor desafinou. Tá podendo, hein?
    Minha linda, estou em sintonia com a Dra. Zuleid : de tanto me meter na sua vida, tipo cara de pau, faço minhas as suas conquistas e vibro com você.
    Um beijo, queridona!

  8. Jairo Marques disse:

    Lakinha, é engraçado qdo leio isso dos meus seguidores, mas é justamente esse o sentimento: tava com saudades do seu blog ahahhahah… como é bom reencontrar sua palavras e ainda mais com uma narrativa auditiva tão emocionante e, ao mesmo tempo, tão delicada….. bom demais ter vc por perto, menina! Um beijão.. e eu tô voltando, heim?! ahhahahaha.. bjosss

  9. Julia disse:

    Qto a nao entender o porteiro nao se preocupe. Ninguem entende. beijao

  10. Eliane Lobato disse:

    😉 Pois é Lak é realmente emocionante acompanhar essa sua evolução, não só a sua mas das pessoas que como vc acreditaram e foram atrás do IC. poxa quando uma amiga sua me relatou que após anos sem ouvir, ouviu a voz da filha cantando parabéns…que emoção!!!!
    E, vc cada vez que conta que ouviu mais um pouquinho…meu Deus agradeço por estar ainda por aqui pra poder acompanhar esse processo.
    Vc não faz idéia do quanto me sinto FELIZZZZZZZZZZ!!!!!!!
    Ah mais um detalhe, muito legal aquele seu sapinho, Arthuro, fazer parte do Blog tb e o marsupial vai muito bem e, torcendo por vcs 2.
    Ta vendo pra brincar não tem idade e, isso nos mantem vivos e de bem com a vida, deixar o lado criança fluir… 😈
    Amei vc defender brinquedos que identifiquem deficiências, pq não? afinal fazem parte da vida, podem acontecer a qq momento e a qq um. 😉 🙂

  11. Angela Pontual disse:

    É muito legal acompanhar as suas novas conquistas e saber que a cada dia novos sons vão sendo descobertos…
    Parabéns pelo niver de casamento!
    Um enorme beijo

    Angela

  12. renata disse:

    Lak, puxa que legal suas identificações sonoras, e como disse a Julia, a maioria não entende o que os porteiros dizem, portanto não é só treino é necessário tb um tradutor. hehehe. Parabéns pelas conquistas. beijos

  13. Ale disse:

    Lak, que delicia seus posts com suas conquistas.
    Felipe quando esta doente ou muito cansado tb nao tem santo que consiga colocar o aparelho nele.
    Mas admito que deve ser muuito bom ter essa opcao.
    Principalmente quando tem obra no apto vizinho… odeio barulho de martelada (eu trabalho de casa entao ja viu, ne?! Sofro com isso).
    bjs

  14. Leila disse:

    Faz tempos que não entro na net direito… Vou ler tudinho…
    Muito maneirão seu blog.