Dicas de Relacionamentos Amorosos com Usuários de IC

ICloversNão, eu não tenho nenhuma pretensão de dar conselhos amorosos. Nesses meus 10 anos de relacionamento com o Edu, a coisa mais importante que eu aprendi foi a jamais achar que eu sei mais sobre relacionamento que qualquer outra pessoa. E que as coisas que funcionam para nós, só funcionam para nós. Sequer iriam funcionar num futuro (se houvesse) relacionamento meu. Que dizer de relacionamentos alheios?

Mas, quando você é implantado e seu(sua) companheiro(a) não é, quase sempre existe algumas dúvidas de etiqueta que surgem nas nossas cabeças e, por isso, falar um pouco do assunto pode ser bem útil sim.

  • A primeira dica que posso dar é: converse com seu(sua) parceiro(a) implantado(a) e deixe que el@ te conte sobre o que é o implante, como ele funciona, qual as particularidades sobre a condição del@, etc. Falar sobre o assunto é importante para que você conheça essa tecnologia que faz parte permanentemente da vida del@. Deixe que ele fale, mas faça perguntas, demonstre interesse. É apenas um aparelho, mas também é a ponte dele para o universo sonoro. Não sei os outros implantados, mas eu adoro poder conversar sobre o IC, com gente verdadeiramente interessada nisso.
  • Acho igualmente importante que você incentive o uso do aparelho o máximo possível, para que a pessoa aproveite toda a trilha sonora da vida. Porém, incentivar não é a mesma coisa que ficar fiscalizando se a pessoa está com o aparelho na orelha e ligado o tempo todo. Esse tipo de fiscalização pode ser essencial quando se refere a crianças ou idosos teimosos. Mas, no caso de adultos, pode significar uma cobrança que desgasta o relacionamento de vocês.
  • Quando a pessoa estiver com aparelho desligado, tenha mais paciência para falar com ela. E siga as regras de conversa com surdos oralizados: fale de frente para ela, com a boca sempre visível, tão devagar quanto ela necessitar e repita quantas vezes for necessário. Nem sempre o aparelho está desligado por preguiça. Pode ser que a pilha tenha acabado, que o aparelho esteja cansando na orelha (às vezes acontece, não sei o porquê), ou o ambiente esteja barulhento demais. A resistência a ruído ambiente de um implantado pode ser menor que a de um ouvinte. Tenho certeza que muito ouvinte também desligaria os ouvidos de vez em quando, se pudesse.
  • Se a pessoa ouve bem e tem discriminação suficiente para falar no telefone com você, esforce-se para ser bem compreendido. Cada implantado tem a sua relação particular com telefone. E nem sempre o utiliza com a mesma facilidade que um ouvinte. Esteja preparado para repetir, falar mais devagar ou mais alto sempre que necessário ou solicitado. E não tenha receio de ligar pra el@. Quem não adora receber uma ligação inesperada da pessoa amada? Inclusive, incentive que a pessoa utilize o telefone sem medo. Diga que você é a pessoa ideal para treinar telefonemas, caso a pessoa ainda esteja naquela fase insegura de utilizar o telefone. Vocês são parceiros, certo? Parceria até para quebrar barreiras emocionais!
  • Se a pessoa ouve bem e tem boa discriminação com música, não se sinta constrangido de compartilhar seu gosto musical com ela. Mas, lembre-se que o gosto ela pode ser diferente do seu, tal como qualquer outra pessoa. Respeite as preferências dela e, se forem diferentes das suas, não tente alegar que o problema é a forma como o implante processa o som. Isso não importa, importa como ela se sente ao escutar determinada música. Gosto é gosto!
    Se a pessoa ouve bem e gosta de música, você pode convidá-la para um show musical sem problemas. Mas, nem sempre a audição em shows, via IC é muito boa. Portanto, se ela recusar ou quiser ir embora no meio do show, seja compreensivo, porque realmente pode ser que o som não esteja nem um pouco agradável para el@. A sugestão é convidar a pessoa para um restaurante/barzinho com música ao vivo e só depois, partirem para uma casa de show. Dá pra ter uma ideia prévia de como a pessoa se sente nesse tipo de ambiente.
  • O aparelho externo do implante coclear é sagrado. Portanto, só pegue nele com autorização e peça instruções de como manusear. Nunca mexa sem permissão e sem conhecimento prévio de como ele pode ser tocado. Por outro lado, você pode pedir para  el@ te ensinar a mexer com cuidado e se tornar a única pessoa, além del@, a ter permissão de mexer no aparelho. Saiba, conseguir isso é o auge da confiança que se pode ter com um implantado hehehe
  • Nem todo mundo gosta de intimidade usando o aparelho. Se a pessoa gosta, ótimo. Mas se ela tira nessas horas, respeite. Você até pode tentar incentivar a pessoa a usar, claro. Mas não deve cobrar isso, porque cada pessoa tem a sua maneira particular de se permitir sentir prazer. É claro que você poderia incentivar essa descoberta, mas é o tipo de acordo que só o casal pode decidir, então, em vez de ficar emburrado, converse. Quem sabe as possibilidades que poderiam sair de um bom diálogo?

Mas, o mais importante de tudo, é que todas essas regras podem ou não ser válidas para o(a) seu(sua) parceiro(a), por isso, conversar é fundamental, saber escutar também.

Aproveitem os bons momentos, compartilhem os sons que vocês gostam. Relacionamentos são feitos, além das grandes conquistas a dois, de pequenos detalhes do dia a dia. Uma coisa que adoro quando o Edu faz é perguntar “você ouviu o bem-ti-vi?” e eu nem estava prestando atenção em passarinho. Mas quando ele fala isso, eu escuto com atenção e consigo reconhecer o piado único desse pássaro. O mesmo acontece quando ouço algo que chama a minha atenção e compartilho com ele. São momentos deliciosos que a gente compartilha, através da audição. Para quem conviveu vários anos com uma barreira de  som e  silêncio entre nós, ter essa possibilidade graças ao implante coclear é uma dádiva que a gente desfruta ao máximo!

Beijinhos sonoros,

Lak

8 palpites

  1. algumas dicas úteis também para amigos de implantados.

  2. Renata Neves Renata Neves disse:

    Vocês dois são muito fofos <3

  3. Achei ótimo o texto, aliás, como sempre, VC sabe colocar muito bem as experiências de vida e sentimentos relacionados ao IC!!
    Licença para compartilhar!!!

  4. Helenice Marcato e Andréa Aguinaga Germano esse é o blog da Lak muita informação sobre IC, ela é uma querida e tem o livro também 🙂

  5. Marisa disse:

    Você é uma pessoa ímpar, amei te conhecer