Implante Coclear x Ressonância Magnética

ressonanciaEu tenho implante coclear, posso fazer ressonância magnética?

Essa é uma pergunta que eu tenho respondido com cada vez mais frequência. Acredito que por causa da popularização do exame, cada vez mais acessível e solicitado pelos médicos, por conta da clareza e precisão dos resultados.

Porém, o implante coclear não é exatamente o acessório mais compatível para se usar durante um exame desses.

Bom, a primeira coisa que é necessário que o usuário (ou responsáveis) saiba é que cada marca/modelo tem suas particularidades. Tem modelos que permitem a retirada do imã interno, tem modelos que não. Tem modelos que aguentam até 1 Tesla. Outros que aguentam até 1,5 Tesla. E outros que aguentam até 3 Tesla. E o que é isso? A forma da potência da máquina de ressonância. Mas, como saber isso? Perguntando para seu médico/fono. Ou seja, a equipe que acompanha seu caso.

Outra coisa, a ressonância pode ser feita do dedinho do pé ao último fio de cabelo (cabelo já não sei, mas o crânio sim), portanto, a área onde se faz o exame também pode fazer a diferença na possibilidade (ou falta dela) de realizar o exame.

A dica para este exame é: imprescindívelmente, peça autorização para seu médico de implante coclear. Só um especialista que conhece bem o seu caso, pode passar as orientações adequadas. Se possível, peça para ele escrever um  “atestado de procedimento” para  você levar para o exame, a ser entregue para o radiologista responsável. Pode ser que peça para a máquina ficar apenas em determinada potência. Pode ser que peça para fazerem uma proteção para a parte externa, etc. No caso de um exame desses, o parecer do médico é essencial.

E por que tanta precaução? Porque ninguém pode entrar na sala de exame com itens de metal. Nem o paciente nem o eventual acompanhante. Todo e qualquer item metálico pode ser atraído para a máquina. Mesmo ela estando desligada. Tanto que os maiores acidentes ocorrem com os profissionais de limpeza/manutenção que entram na sala com itens metálicos, achando que a máquina estando desligada é segura. Pois bem, não é! Tanto que um implantado não tem autorização de entrar na sala com a máquina, como acompanhante!

Vocês duvidam que essa máquina seja tão poderosa?

Então, dê uma olhada nesse vídeo:

Tudo bem que essa máquina estava ligada no máximo, mas pensa no que ela pode fazer com o imã interno do IC?

Não é um risco que precisamos correr, concorda?

Apesar de eu ser uma pessoa super desencanada em relação ao IC (já passei em detector de metais até do aeroporto de Londres e já entrei no mar com o  aparelho Freedom e sem proteção nenhuma, embora eu não recomende isso, tá?) Assumo os riscos e sei que fui meio imprudente, porque o detector de metais também oferece risco ao IC se estiver ligado na potência máxima. Porém, essa regra da ressonância magnética, eu sigo a risca. Sou ousada, mas não kamikase!

Então: precisou de uma ressonância? Ligue para a equipe que cuida do seu caso de IC e peça autorização e recomendações. A gente não deveria fazer o exame, mas em casos de extrema necessidade ou “vida e morte” ele pode ser realmente necessário, portanto solicitar orientação adequada é a melhor dica que posso dar.

Beijinhos sonoros,

Lak

2 palpites