O circo da borboleta

Terça-feira agora, dia 2 de março, Jairo do blog Assim Como Você teve a candura de colocar um belíssimo video, dividido em duas partes. É uma dessas histórias de superação de limites. Não limites físicos, mas emocionais e psicológicos (os tais que eu venho comentando que são a parte mais difícil do processo de readaptação cerebral, por conta do Implante Coclear).
Quem frequenta o blog dele, já viu, já se emocionou, já chorou de precisar de lencinho…
A legenda em português foi feita por Silva Dutra.
Mas pra quem não viu, vale a pena.

Não sei se o nome do vídeo é uma coincidência ou foi inspirado nesse belíssimo texto de Antoine de Saint-Exupéry (sabia que eu estudei numa escola com esse nome?), no capitulo 9 de O Pequeno Príncipe. Primeiro, o texto original em francês – pra vocês treinarem – depois a tradução.

Il fut surpris par l’absence de reproches. Il restait là tout déconcerté, le globe en l’air. Il ne comprenait pas cette douceur calme.

– Mais oui, je t’aime, lui dit la fleur. Tu n’en as rien su, par ma faute. Cela n’a aucune importance. Mais tu as été aussi sot que moi. Tâche d’être heureux… Laisse ce globe tranquille. Je n’en veux plus.

– Mais le vent…

– Je ne suis pas si enrhumée que ça… L’air frais de la nuit me fera du bien. Je suis une fleur.

– Mais les bêtes…

– Il faut bien que je supporte deux ou trois chenilles si je veux connaître les papillons. Il paraît que c’est tellement beau. Sinon qui me rendra visite ? Tu seras loin, toi. Quant aux grosses bêtes, je ne crains rien. J’ai mes griffes.

A ausência de censuras o surpreendeu. Ficou parado, inteiramente sem jeito, com a redoma no ar. Não podia compreender essa calma doçura.

– É claro que eu te amo, disse-lhe a flor. Foi por minha culpa que não soubeste de nada. Isso não tem importância. Foste tão tolo quanto eu. Trata de ser feliz… Mas pode deixar em paz a redoma. Não preciso mais dela.

– Mas o vento…

– Não estou assim tão resfriada… O ar fresco da noite me fará bem. Eu sou uma flor.

– Mas os bichos…

– É preciso que eu suporte duas ou três lagartas se quiser conhecer as borboletas. Dizem que são tão belas! Do contrário, quem virá visitar-me? Tu estarás longe… Quanto aos bichos grandes, não tenho medo deles. Eu tenho as minhas garras.

Nem sempre a ajuda que precisamos é que resolvam os problemas por nós. Um incentivo para acreditarmos em nós mesmos pode fazer muito mais diferença. É aquele ditado: “Não me dê os peixes, ensina-me a pescar.”

Beijinhos sonoros,

Lak

19 palpites

  1. Jairo Marques disse:

    Ó aqui pra vc, coisa linda! 😈 ahahahahahhahahahhahah

  2. bardo disse:

    Fiquei sem palavras… Em lágrimas…

  3. Bruna disse:

    Lindo mesmo. Já tinha visto no blog do Jairo e me emocionei de novo vendo aqui. Não tenho escolha, vou ter que copiar e colocar esse vídeo no meu blog tb.
    Bjs

  4. Lakinha há muito tempo não passo aqui. E amei esse post, esse curta metragem é lindo. E o que mais me emocionou foi ver que o cara quem braços nem pernas era Nick Vuijicic ( Jairo já falou dele no blog), ele realmente nasceu assim e os médicos sempre diziam que ele nem consegueria parar em pé. E ele faz tudo, anda, joga bola, usa computador. Para o ser humano não existem limites. Os limites são impostos por nós mesmos. E poxa achei lindo o fato do circo dar borboletas ter pessoas magnificas que superaram coisas pra chegar aonde chegaram e eram felizes.
    Mais interessante ainda é que o circo aparentemente tem esse nome porque todos assim como a lagarta tiveram que sair do seu casulo pra se tornar borboleta. As pessoas ali eram tristes, rancorosas, não tinham mais pelo que viver, mas descobriram algo que lhes dava prazer e renasceram, ou melhor, assim como a borboleta sofreram uma metamorfose.
    Ah e mais uma coisa, certa vez vi uma frase, que meio que se cabe a isso que é “Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível e derrepente você estará fazendo o impossível”.

  5. Kali disse:

    Lak, AMEI o vídeo!!! Fiquei encantada com cada detalhe… caramba, poderia passar horas comentando cada aspecto que ele aborda! Certamente vou copiar e divulgar em todas as oportunidades!

    Agora, cá prá nós, esse moço… o Jairo… é mesmo uma criatura querida, né? Preciso ter mais disciplina para visitar com mais frequencia (e comentar) o “brogue” dele!

    Lembra que eu te digo muitas vezes que vc encontra algumas pessoas muito chatas nas suas incursões virtuais? Pois é, esse espaço me faz acreditar que tem muuuuito mais gente legal do que chata na sua vida… 😀 . hehehe, assim fica beeem mais divertido, né!? 😉

    Bjsss

  6. Simone disse:

    Lindo o video!! Ameeei. Já vou colocar isso no meu Orkut. Valeuuuu!!! 😈

  7. zuleid disse:

    A visão da vida por ângulos diversos…que coisa mais linda!!!
    Fantástico ver o quanto podemos e não nos damos conta!
    Caramba, como subutilizamos nossas capacidades!
    E prá não incorrer no mesmo erro…utilizei plenamente minha capacidade de chorar e me emocionar!
    Obrigada pelo presente!
    Jairo, você merece todos os beijos do mundo!

  8. disse:

    Incrivelmente sensível esse vídeo ! E o blog me abriu ainda mais a cabeça… obrigada por tamanha sabedoria…