Repassando informações interessantes do blog Crônicas da Surdez sobre o encontro de Maceió (AL)

Sabem a Paula Pfeiffer, autora do blog mega-maxi parceiro do DNO, o famosíssimo Crônicas da Surdez?

Pois é, semana passada ela fez duas postagens interessantíssimas que vão abrir a semana (e o mês de maio) aqui no DNO.

A primeira é uma notícia super bacana: Promoção da SIEMENS para os leitores do Crônicas:
Basicamente, as revendas da Siemens vão dar 50% de desconto na compra do segundo aparelho, ambos do mesmo modelo e para o mesmo paciente, até o dia 31/05/2011.
Para quem está para comprar aparelhos, vale dar uma passadinha no médico/fono e perguntar se tem algum modelo da Siemens indicado pro seu caso e dai, aproveitar a promoção. No post da Paula (link acima), ela explica como proceder para poder aproveitar a promoção.
E lembrem-se que seu médico é sempre a pessoa ideal para indicar o aparelho específico para o seu caso!

A outra notícia não é tão bacana assim, mas acho que faz um gancho bacana no meu post anterior :

As Impressões da Paula no Encontro Internacional de Audiologia de Maceió, onde ela foi a convite da Siemens:

Minhas impressões sobre o EIA
Passeei bastante pelos corredores do EIA. O pavilhão de expositores estava lotado de stands de todas as marcas de aparelhos auditivos e implantes cocleares que existem no Brasil. As fonos ficavam ‘presas’ nas conferências/palestras/apresentações de trabalhos (restrito para elas, não participei) e, nos intervalos, vinham todas para o pavilhão dos stands socializar.

Imaginei que as fonos iriam aos stands para conhecer as novidades tecnológicas e saber dos últimos lançamentos para os seus pacientes, mas confesso que isso me surpreendeu um pouco. Todas as marcas oferecem brindes, como canetas, chaveiros, ecobags, etc. O que notei é que todo mundo estava mais interessado nos brindes do que em qualquer outra coisa. Ok, quem não gosta de um brinde?? No stand da Siemens, onde eu fiquei, observei no máximo umas cinco fonoaudiólogas que estavam interessadíssimas nos produtos e tecnologias. Isso não é uma crítica, é uma constatação – resultado de alguns anos de faculdade de Ciências Sociais, e dos trabalhos de campo de Antropologia e suas rigorosas observações.

Conheci algumas fonos muito apaixonadas pelo que fazem, que contavam com o maior entusiasmo histórias de pacientes que se deram bem com seus aparelhos auditivos. E ouvi muitas outras falando coisas super ‘politicamente incorretas’ e precisei me segurar para não soltar o verbo. Teve uma que, falando sobre uma paciente, soltou a seguinte pérola: “Pobrezinha, tão bonita, dá pena de ver ela ter que se enfeiar com aparelho auditivo“. Sabe quando você fica em três tons de bege?? Pois é.

Fiquei o tempo todo me perguntando porque diabos não existem pessoas com deficiência auditiva trabalhando nessa indústria! É uma indústria feita e direcionada para nós, e é realmente uma tremenda burrice que nenhum deficiente auditivo (usuário de AASI e IC) faça parte dela. Tudo é feito, administrado, pensado, elaborado e criado por pessoas…que ouvem!!! Não tem cabimento. As empresas e marcas deveriam contratar pessoas que NÃO OUVEM para trabalhar com elas, para dar feedback sobre serviços e produtos, para explicar para seus funcionários e fonos como é o mundo das pessoas que vivem sem som.

Falta esse FATOR HUMANO na indústria dos aparelhos auditivos e implantes cocleares – e também na área de saúde, vulgo otorrinolaringologia e fonoaudiologia. Não somos meros consumidores, somos pessoas, temos cérebros, somos bem sucedidos no que fazemos. Não faz sentido que tudo isso seja ‘dominado’ exclusivamente por pessoas que ouvem. Aliás, se alguém souber de alguma marca/empresa que tenha algum consultor ou executivo com deficiência auditiva, por favor, trate de me contar, pois desconheço a existência disso. Falta também o fator PAIXÃO. Observei muitas pessoas totalmente desanimadas com o fato de estarem ali. E isso me fez perceber o quanto a indústria como um todo perde por não ter a colaboração de talentos humanos que não ouvem e que são apaixonados por este tema, pois vivem e convivem com ele. Não vale a reflexão??

Procurei por pessoas lá dentro que também usassem aparelho auditivo. Não encontrei. Observei as orelhas de todos os funcionários dos stands de todas as marcas e também não encontrei ninguém que usasse AASI. Não vi ninguém com implante coclear. Procurei nos stands algum indício de que as marcas estivessem interessadas no lado humano da surdez e também não encontrei nada que me fizesse acreditar nisso – nenhuma menção a sites, blogs, pessoas com deficiência auditiva, apenas menção a produtos. Acho que eu era a única pessoa lá dentro com deficiência auditiva. Raciocinem comigo, não é estranho?? É claro que os profissionais são mais do que aptos a conversar e trocar idéias sobre os aparelhos e seus benefícios, mas não seria enriquecedor para eles mesmos (fonoaudiólogos e pessoal das marcas que vendem AASI e IC) trocar idéias e conversar com as pessoas que efetivamente usam esses produtos na vida real?? Não consigo parar de pensar nisso. Sinto como se fôssemos qualificados apenas para assinar um cheque e comprar os produtos, aos olhos das pessoas que os vendem. Ah, se elas soubessem…

Por fim, vi muitos livros interessantíssimos (vou postar sobre eles já já) e CD’s de treinamento auditivo. Procurei por todos nos sites das livrarias virtuais que conheço, mas não estão disponíveis. Imagino que seja preciso adquiri-los diretamente com as editoras. Além disso, não encontrei nenhuma grande novidade em termos de aparelhos auditivos – sei que estou devendo informações para vocês sobre o aparelho à prova d’água que permite até mesmo ouvir música debaixo d’água que a Siemens lançou em Chicago no mês passado, mas ele precisa passar pelos trâmites burocráticos brasileiros (leia-se Anvisa e afins) antes de ser lançado aqui, o que deve acontecer em alguns meses.

Gostaria de agradecer à Siemens por duas coisas: pelo convite (pude me ‘infiltrar’ nesse universo e elucidar várias dúvidas que sempre me acompanharam) e por se preocupar com esse fator humano da surdez sobre o qual eu tanto falo. Afinal, se não se preocupasse, eu não estaria lá dentro divulgando com tanta liberdade este blog sobre deficiência auditiva. E meu enorme muito obrigada também às fonos que foram falar comigo e me contar que conhecem o Crônicas e o indicam sempre para os seus pacientes e familiares.

PS: esqueci um ponto importante. Participei da cerimônia de abertura do EIA. Não havia tradução simultânea para LIBRAS (apesar dos aparelhos de som de ultima geração e do telão) e muito menos closed caption no telão. Acessibilidade, pra quem?

Por essas e por outras que reforço, falta MESMO uma associação que defenda as necessidades dos surdos oralizados e usuários de próteses auditivas e implantes cocleares. Nem com toda o barulho que o pessoal da Libras faz, teve intéprete lá, o que diria alternativas para quem não ouve nem fala língua de sinais???

Pra começar a semana refletindo, né?
Beijinhos sonoros,
Lak

14 palpites

  1. Paula Pfeifer disse:

    Lak,
    Obrigadíssima por ajudar a repassar a informação sobre o desconto!
    =)

    Semana passada, conversando com a minha estagiária, que cursa Direito numa faculdade particular (na qual agora a Libras é disciplina obrigatória), ela me pergunta o seguinte: Libras é obrigatório, mas alguém como tu não vai se beneficiar dela e não tem nada lá que possa te ajudar.
    Fiquei pensando nisso!!!
    Lembro do quanto ‘penei’ na faculdade e me peguei pensando em que tipo de acessibilidade eu teria se resolvesse voltar a estudar!
    E isso vai de encontro ao que tu escreveu no final do post…falta mobilização da nossa parte, usuários de AASI e IC que não se comunicam através da Libras.
    A pergunta é: o que podemos fazer e por onde começar?
    Nossa turma na internet é grande!

    Beijos,

  2. Sun Melody disse:

    Lak,

    se sentem esta necessidade em haver uma Associação que defenda os interesses dos portadores de próteses e implantes auditivos ( que alastra a Implantes Cocleares, Implantes Híbridos, Baha e Implante Tronco Cerebral) em honra à diversidade. Não esperem muito tempo.

    Podem começar a se juntar, e porque não com a Lak, mais a Paula e dentre outros?! O Raul e a Anahi?! Juntos serão poderosos, com uma força que jamais irá se calar, pois cativar as pessoas para esta importância já tem como usar estas armas.

    Esta história do ontem para hoje, é comprida, acontece que ninguém fazia nada para alterar estas necessidades cruciais, em defesa das pessoas portadoras de deficiência auditiva com próteses auditivas ou Implantes de todos os modelos para cada tipo de perda… então conformados com a situação de a sociedade não reconhecer a existência dos deficientes auditivos oralistas/oralizados com próteses ou implantes auditivos, amantes da Língua Portuguesa vivendo uma vida normal, e face á falta de apoios e custos de manutenção, dos direitos a ser retirados, e por vezes apesar de estes direitos estarem escritos na prolongação do diário de república ela não é aplicada em todos os lugares, não são 100% cumpridas como deveria ser. Obrigar as empresas empregar deficientes auditivos, de acessibilidade e direitos de participação…. aumentar a consciência da população, alertar e encaminhar pais de crianças com Surdez, apoiar imigrantes que vem a Portugal em busca de uma solução para o seu problema auditivo, etc etc etc.

    Assim nasceu a OUVIR – Associação Portuguesa de Portadores de Próteses e Implantes Auditivos em 11 de Março de 2011, com uma equipa corajosa de ideais elevados na faixa dos 20-30 anos e que todos nós juntos conseguiremos mudar, talvez para melhor, porque independentemente da situação, as crianças de hoje serão o futuro do amanhã, para que possam continuar a trilhar esse caminho por melhores condições e qualidade de vida!

    Porque não sonhar e tentar? Se vocês são muitos, juntem-se pois de perder não tem nada, pelo contrário tem muito a ganhar.

    As vossas vozes são poderosas, unem-se!
    🙂 😀

    Abraço grande deste Portugal

  3. Sun Melody disse:

    Lak,

    Tu sabes que podes fazer isso a vontade. Temos também página no facebook e site respectivamente.

    Abraço.
    Sun

  4. Rogério disse:

    Você é forte, valente, corajosa, e está cercada de gente com características, necessidades e interesses parecidos. Pegue o exemplo da OUVIR, se possível obtenha um exemplar de seu estatuto (deve ter estatuto, né?), onde devem constar os objetivos e formas de alcancá-los. Adapte tudo para a nossa realidade e agite a galera.
    Você sabe que terá meu apoio e de muitos outros que ousam sair da zona de conforto e buscar um mundo melhor para todos. Ainda não sei de que forma virá esse apoio, mas o meu já está empenhado.

  5. Germana disse:

    Oi Lak!
    Bacana as informaçoes e muito uteis. Aproveito para compartilhar o sucesso do meu IC, estou com 24 dias de ativação e está uma maravilha, ja falo no celular sem nenhum problema, assisto tv sem legenda (caption), ja entendo o que é dito por alguem que está em outro ambiente (se n houver barulho). Um detalhe importante, eu implantei apenas um lado e do outro uso AASI, ele é extremamente importante pro IC, um ajuda o outro. Outra coisa curiosa, é que vc sempre disse que o som do IC é mais natural, mas eu n estou tendo essa sensação, quando fico so com ele, ou quando falo no cellar as vozes sao todas iguais, como se fosse de uma criança, seja homem ou mulher, só consigo identificar o som natural quando uso o AASI junto. Mas isso pode ser devido ao tempo ainda curto, de ativação.

    bjus.

    Germana

    • laklobato disse:

      Germana querida,
      maravilhada com seus progressos em tão pouco tempo!!
      Verdade que o AASI é fundamental, eu sempre falo isso, precisa usar os dois juntos!
      Então, eu falo que o som é mais ‘puro’ porque ele tem muito menos ‘chiado’ que o AASI. É mais claro, porque com AASI eu não conseguia identificar quase nada.
      Pode ser que vc se desse melhor com o AASI que eu. E pode ser que o som vá ficando mais claro com os mapeamentos. Tb achava meio ‘metálico’ no começo.
      Só que é bom lembrar que cada caso é um caso e não dá pra comparar muito, só com o progresso saberemos.
      No mais, vamos conversando até lá.
      Parabéns por tudo que já conquistou com o IC, viu?
      Beijocas

  6. teresa disse:

    Beleza informação, obrigada!! Estou com AASI (ouvido esquerdo)de siemens há 8 anos, mas será que minha cidade vai propor promoção?? Não sei, vou procurar saber se tem jeito. Já faz 2 meses que estou implantada e mais 1 mês de ativação, me parece que a qualidade de som está ficando mais nítido no ouvido esquerdo com AASI e não ouvido direito com IC. É uma sensação muito engraçada. Com IC estou ouvindo tipo “apito” ou “tontura leve” e não fonemas e nada de palavras. Será??? Também aconteceu com vc?? Gostaria de vc me dar sua opinião sobre começo do IC. Beijos.

    • laklobato disse:

      Teres, pode ser que tenham ligado o IC muito baixo. Pode ser que vc ainda etseja muito acostumada com o som do AASI. 1 mês é muito pouco tempo para avaliar seu caso.
      Sobre a ‘tontura’ é porque a maneira como vc está ouvindo (impulsos eletricos na coclea) ainda é novidade pra você, o nervo ainda não acostumou. Os apitos, eu ouvia no começo sim, não estava acostumada a ouvir frequencias agudas (que o AASI não captava) e elas me soavam esquisitissimas…
      O começo é uma fase muito estranha, concordo.
      Beijocas

  7. teresa disse:

    Vc está de parabéns!!! Pois vc está bem explicada como fonoaudióloga e poderia fazer faculdade, né!!(risos). Foi objetiva e muito bem informada sobre IC e AASI. Gostaria muito de me dar seu email para comunicarmos particular para todas minhas dúvidas. Ok! Beijocas. 🙂

    • laklobato disse:

      Heheh não, eu apenas divulgo o IC, não sou fono nem acho que tenho competência pra isso haha
      Te mando email pra você ter meu endereço eletrônico e podermos conversar em particular.
      Beijocas