Sou implantada. Sou surda.

Texto da Sun Melody, no blog Ouvido Biônico.

Achei lindo e que dava gancho na matéria do texto de ontem, da Folha de São Paulo, explicando como um implantado se vê.

Sou implantada. Sou surda. Sou uma surda implantada ou Cyborg. Ok, sou uma Cyborg porque assim não tenho ninguém que me defina a pessoa que sou, não pertenço de modo algum a uma comunidade em particular. Não possuo identidade Surda. Não falo Língua Gestual Portuguesa. Não percebo o que dizem os gestos falantes, é para mim pura e simplesmente incompreensível de conceitos e significação. Sou eu e pronto!

Sou implantada. Sou surda. Sou uma surda implantada ou Cyborg. Ok, sou uma Cyborg falante, a minha boca mexe, a minha língua enrola com mestria pois têm uma ginástica do caraças para produzir a fonologia das palavras, posso cantar a letra de qualquer música fluentemente e não depender de ninguém. Posso pensar por mim mesma nas estrelas e ser leve como uma brisa de Verão, não deixo que os outros me influenciem o julgamento racional, não deixo que tentem a todo o custo consertar-me, não podem mudar a minha vida e visões encharcadas de emoções distintas profundamente enraizadas.

Sou implantada. Sou surda. Sou uma surda implantada ou Cyborg. Ok, sou uma Cyborg ouvinte, os meus ouvidos ensurdeceram o mundo que me rodeava em criança aos 18 meses de idade como se nada me tivesse acontecido, cresci sem escutar ou pouco com as próteses auditivas. Continuei adolescer na esperança de um dia puder ouvir todas as canções da vida e retirar-me dos lugares silenciosos. Não me limitei por ter Surdez. Fiz da deficiência auditiva a maior prova de superação, dupliquei as forças na base dos desejos e sonhos. Cresci em sociedade! Sou uma Cyborg ouvinte!
Não preciso que um especialista ou docente doutorado em Surdez com todas as suas nabas idealidades utópicas me fornecem explicações tão asnáticas e minuciosas cheias de cavalgaduras de que uma criança surda ou surdos profundos devam ter como primeira língua materna, a Língua Gestual Portuguesa. ERRADO. Existe também outra forma de comunicar com o mundo, a oralidade. Não podem é privar a liberdade de escolha aquando à opção de uma determinada língua aos pais dessas crianças surdas, estão a ocultar a autenticidade dos factos… um verdadeiro atentado à deliberação civil neste malabarismo circundante.

A referência à Lingua Gestual Portuguesa se deve ao fato que a Sun é portuguesa. Cada país tem um ‘idioma de sinais’ próprio. Aqui no Brasil, chama-se Língua Brasileira de Sinais, ou simplesmente Líbras.

De nenhuma forma este blog tem qualquer interesse em desrespeitar  os usuários de qualquer idioma de gestos/sinais. Apenas mostrar que surdos que usam o Implante Coclear e falam oralmente também precisam de espaço na cabeça das pessoas, que teimam em achar que todo surdo é mudo e sempre fala a língua de sinais.

Assim como a Sun, sou Implanta, sou surda e gosto de ser chamada de cyborg, afinal, tenho ouvido biônico, com muito orgulho!

Beijinhos sonoros,

Lak

30 palpites

  1. SôRamires disse:

    Muito bom o texto da Sun…gosto demais do modo como ela escreve, assim como nossa outra amiga portuguesa e blogueira, a Inês.

    Nada de guerrinha contra a língua de sinais mas trata-se de explicar que a gente com nossos equipamentozinhos maravilhosos podemos ouvir e nada nos impede de falar ou escrever bem. Trata-se de acabar com a crença geral de que todo surdo tem que ser mudo (afinal o aparelho fonador existe e só precisa treino e paciência para aprender) e usa somente língua de sinais.
    Somos tagarelas sim e poliglotas também né? 😀

  2. SôRamires disse:

    a concordância ficou perfeita: a gente podemos, ou nois pode? 😮

  3. Simone disse:

    😐 Não vai acabar a guerrinha citada pela Sonia! Xi. Vai continuar aquela gente defendendo as libras enquanto outra gente defende a oralização de unhas e dentes, inclusive eu, sendo surda!!

  4. inês disse:

    Oi, Lak!
    Que bom ter postado esse texto da Sun. Também o tinha lido e gostado dele; e tudo a propósito de pessoas com mentes fechadas que acham que o caminho para um surdo só pode ser um! É uma pena que essas pessoas estejam a ser professoras de surdos e que não abram a mente e o coração para a diversidade dos surdos e para o respeito pela escolha de cada um. É óbvio que enquanto crianças, terão de ser os pais a tomar as decisões, o que não impede que mais tarde os jovens possam optar por outro caminho ou até seguir vários ao mesmo tempo!
    Eu só tenho surdez há 4 anos, sou mesmo uma criança pequena neste mundo, mas continuo a defender o direito de cada um à sua liberdade de escolha e a defender para mim que quanto mais línguas sabemos, escritas, orais, de sinais, mais podemos comunicar com outras pessoas. E como eu gosto de conhecer outras pessoas, de conviver com elas e adoro conversar (não se dá muito por isso, pois não?? 😀 ),como sempre aprendi línguas estrangeiras, gostava de também saber língua gestual, para poder comunicar com os surdos não oralizados.
    Agora, cada um que faça o que entender, «na boa», como nós dizemos! se queremos ser felizes, temos de permitir que os outros o sejam, né?
    Um abração e beijocas para ti, para a «nossa» Sô e para a Sun, claro!
    Inês

    PS: acho que já fiz isso antes, mas vou fazer-te inveja…conheço a Sun pessoalmente e ela é uma pessoa de garra, lutadora, inteligente, sensivel e muito divertida!!

  5. SôRamires disse:

    Sons para brincar de cantar e de ouvir

  6. Sun Melody disse:

    Agora com calminha e em casa depois de uma pequena viagem de comboio de Lisboa para o meu doce lar, a noite está fria e como não estou perdida de sono vim aqui para te agradecer Lak!

    Claro também não me esqueço da Sô, e a extrovertida Inês! Lak se tu soubesses quantas saudades tenho de conversar com ela, aí… é cada festa intelectual e basicamente falamos de tudo sem papas na língua. Mas a verdade, tenho é inveja de vocês 😛 pois por mim não me importaria ser Brasileira e viver aí junto de vós… assim não me sentiria como uma verdadeira ET.

    É uma inveja bem saudável 🙂

    Beijinhos sonoros!
    Sun

  7. Sun Melody disse:

    Ah e viva a DIVERSIDADE!

    😀

  8. zuleid disse:

    Vocês heimm?! Podem até ser surdas, mas as línguas são afiadíssimas! hahahaha! Que legal vê-las assim brigando e ganhando “no grito” o direito de escolher! Que cada um de nós possa se comunicar SEMPRE e das mais diversas formas possíveis! O mundo tem tantas linguas, por que ficar SÓ com a linguagem de sinais???
    Beijos!

  9. Kali disse:

    Tô começando a achar que esse negócio de ser surdo realmente faz com que as pessoas desenvolvam muito mais os outros sentidos e habilidades… especialmente a de escrever lindamente e com uma emoção absolutamente enebriante! 😀
    Sim, sim, eu fiz uma brinacdeirinha mesmo correno o risco de ser mal interpretada… eu nunca poderia estereotipar vocês dessa maneira, pois isso seria prender vcs em uma caixinha de conceituações…
    O que eu quero dizer é que o texto da Sun é lindo e fala de uma liberdade fantástica de ser poder ser tudo o que se quiser!
    Tento diariamente cultivar esse universo de potencialidades dentro de mim! Vcs me ajudam bastante!
    Beijos de uma ouvinte completamente encantadapor vocês! 😛

  10. Kali disse:

    Tô começando a achar que esse negócio de ser surdo realmente faz com que as pessoas desenvolvam muito mais os outros sentidos e habilidades… especialmente a de escrever lindamente e com uma emoção absolutamente enebriante!
    Sim, sim, eu fiz uma brincadeirinha mesmo correndo o risco de ser mal interpretada… eu nunca poderia estereotipar vocês dessa maneira, pois isso seria prender vcs em uma caixinha de conceituações…
    O que eu quero dizer é que o texto da Sun é lindo e fala de uma liberdade fantástica de ser poder ser tudo o que se quiser! 😀
    Tento diariamente cultivar esse universo de potencialidades dentro de mim! Vcs me ajudam bastante!
    Beijos de uma ouvinte completamente encantada por vocês! 😛

  11. inês disse:

    oi! É só para acrescentar que se a Sun for morar para aí, eu vou agarrada a ela!! 🙂
    bjs 🙂

  12. SôRamires disse:

    Oba Vamos festejar com Vinho do Porto, bolinhos de bacalhau, muito fado, o Grupo Madredeus, o Eça, o Fernando com suas várias faces.Essas meninas vão trazer o lado contemporâneo da terra mãe da nossa língua…

  13. Rogério disse:

    Oi, linda. Andei sumido, né? Pois bem: voltei.
    Há tempos acompanho a Sun, a Inês e você (a Alessia é hors concours), e faço coro com a Kali. Vocês escrevem lindamente, e seus textos não saem dos dedos ou do teclado; são manifestações da alma.
    A comunicação pode ocorrer sob diferentes formas, não deve haver uma imposição ou regra. Eu não falo alemão, nunca tive interesse em aprender o idioma, e não me sinto candidato ao fogo do inferno por isto.
    Beijos estalados.

  14. Andressa Engel disse:

    Olá Lak, andei sapiando no seu blog p ver se encontro um caminho…Qdo tinha 28 anos descobri que estava com CA de Mama e a notícia foi terrível, mas encarei o tratamento na boa, porém a doença voltou novamente apos 1 ano do tratamento e desde então estou na luta. Em janeiro de 2009 percebi que meu ouvido D não estava normal, fui ao medico e fono e constatou-se que eu estava com uma perda de leve a moderada nos 2 ouvidos e foi indicada a usar o aparelho, eu fiquei totalmente perdida pois os medicos não sabiam explicar o motivo e eu achei q devia estar com algum tumor no cerebro, neste meio tempo uma amiga que faz especialização no Centrinho de Bauru de levou p lá, fiz muitos exames, tomografia, ressonancia e graças a Deus a “causa” não era tumor, mas ainda não se sabe ao certo o motivo. Em setembro perdi totalmente a audição e nem os aparelhos não resolvem o problema, então o médico disse que sou candidata ao implante coclear e fiquei feliz com a notícia apesar de tudo. Ainda estou fazendo quimioterapia então só poderei fazer qdo o meu oncologista me liberar…
    E esta espera eh angustiante, depois qu fiquei surda muitas pessoas se distanciaram muito e eu tbém, tenho medo as vezes de conversar com as pessoas e não entender o que estão falando, estou fazendo fono, mas ainda estou longe de ser boa em leitura labial, mas o treino eh diário visto que agora esta eh minha forma de “escutar”…Só peço a Deus a oportunidade de continuar viva p ficar craque…
    Adorei ler sobre vc e ver o qto eh forte e batalhadora,e todo vez que eu ficar triste com minha surdez, vou dar uma sapiada no seu blog…
    Gostaria de saber se vc tem alguma dica p ajudar na leitura labial? Meu marido quer q eu faça aulas de livras ( começo essa semana), mas sei que isso não vai me ajudar muito, visto q as pessoas q convivo são “normais” e não usam os sinais. Então meu foco maior tem q ser a leitura labial.
    Quase escrevo um livro….hehehehe, me desculpe!!!
    Desde já, Obrigada.

    • laklobato disse:

      Adorei sua história, pode falar à vontade e o quanto precisar.
      Não sei exatamente como funciona quimioterapia, mas você tomou algum antibiótico? Porque muita gente perde a audição por conta de medicamentos sim, existem vários remédios que possuem substâncias ototóxicas que causam perda auditiva. É uma questão de sorte ou azar, remédios que não fazem mal a maioria podem fazer mal a algumas pessoas…
      Sobre a leitura labial, é bom você treinar bastante em frente ao espelho. Tente ler os próprios lábios, tente todos os fonemas e vogais… Você faz fonoterapia? Porque fonos são ideias para ensinar leitura labial.
      Aprender a libras também é uma boa sugestão, mas como você mesma disse, muita gente não saberá esse idioma, então não vai funcionar em 100% dos casos.
      Uma amiga, a Olivia, antes de ser implantada também tinha dificuldade de ler lábios. O que ela fazia? Saia de bloquinho embaixo do braço e pedia pra escreverem tudo o que ela não conseguia entender.
      O importante é você não ter vergonha da sua condição. Acontece e ponto, você não tem culpa, não tem porque se envergonhar e tem direito de exigir boa vontade dos outros!!
      Qualquer coisa, volte e conversamos mais.
      Beijocas e bem vinda ao blog.

  15. Andressa Engel disse:

    Olá Lak, fiquei feliz de ter me respondido, obrigada.
    Então o meu caso foi devido a quimio mesmo, já fiz mais de 30 sessões de quimio e tbém acredito q tenha um fatorzinho genético tbém, pois meu avó era surdo…aí juntou tudo e deu no q deu, mas sempre digo que dos males todos esse eh o menor.
    Hoje estou feliz pois fui ao oncologista na consulta pré quimio e ele disse que se eu continuar respondendo bem ao tratamento no final do ano ele me libera p fazer o implante, e estou super empolgada com essa possibilidade.
    Tenho na verdade 3 fonos…hehehe, a de Bauru do centrinho, outra p leitura labial e outra p reabilitação fonolabirintica ( P ajudar eu tbém desenvolvi uma tontura que não passa e o otorrino de Bauru recomendou fazer o tratamento). Minhas aulas de libras começaram hoje, a maioria dos alunos são profissionais de educação, eu sou a única surda além da professora.
    Eu admiro demais a força de vontade de pessoas surdas que aprenderam a falar, eu imaginava isso como impossível…a minha professora nasceu surda e fala pelos cotovelos, ela venceu todas as limitações e está fazendo mestrado…então qdo vejo casos assim vejo que a minha perda auditiva aos 33 anos eh balela, e paro de choramingar…heheheh
    Eu não sinto vergonha da minha condição, pois já passei por coisas piores, fico triste qdo vou por exemplo numa loja, qdo peço p pessoa falar um pouco mais devagar pq sou surda, e ela simplesmente “trava”, aí fico sem graça com a situação…hehehehe
    Obrigada pelas dicas de leitura labial, não treino no espelho, vou começar.
    Abraços..

  16. Simone Molina disse:

    Adorei seus textos, tenho uma filha implantada de 10 anos e estou indo morar em São Paulo, mandem-me dicas de escolas. Gostaria de dar um ensino mais completo a ela.
    Um grande abraço,
    Obrigada.
    Simone 🙂 🙂

    • laklobato disse:

      Simone, vou pedir essa informação no FIC (Forum do Implante Coclear), mas acho que lá é um ótimo lugar para você trocar informações com pais de outros implantados. Se quiser o endereço, avise.
      Beijocas