Teste da Orelhinha da Valentina

Muita gente sabe, mas repetindo para quem não sabe. O DNO (este blog, “Desculpe, não ouvi!”) nasceu como uma ramificação do blog do Jairo Marques, assim como você, que é oficial do Jornal Folha de São Paulo.
Tudo porque eu ficava cobrando o Jairo de escrever sobre surdez. E implorando pra não dar ênfase só e unicamente em Líbras. E ele sempre dizia que não sabia o suficiente do assunto, para escrever sobre o tema com a frequência que eu pedia.
O tempo passou e, um dia, conversando com Edu, ele disse que eu deveria ter um blog meu, porque eu amo escrever (sou uma Lobato!!) e porque blogs são algo que a internet tem de melhor.
Confesso que sempre tive uma tremenda resistência para escrever sobre deficiência auditiva, porque nunca gostei que a surdez fosse maior que eu. Nunca quis ser “uma surda que…” ou “uma deficiente auditiva que…”. Quero sempre que a surdez seja vista como uma parte de mim e não o contrário.
Mas, acabei ultrapassando essa barreira para escrever o DNO, porque realmente não dava para eu passar a vida exigindo do Jairo o que era minha missão.
Quando o DNO nasceu, foi também quando começou os encontros do ACV. Porque afinal de contas, o maior milagre que Jairo fez ao criar o blog dele, foi criar uma ‘comunidade’ de gente da internet, do Brasil todo (até de outros países) que tem trocentas mil deficiências e até quem não tem nenhuma mas simpatiza com o tema. E com isso, quem estava ligado ao blog dele, acabava criando laços com outros leitores. Ao vivo, em redes sociais, em programas de bate papo, etc etc etc….
Hoje, vi-o comentar sobre a coluna quinzenal dele na Folha impressa, já que ele escreve a cada 15 dias para o caderno Cotidiano, no Facebook. Fui correndo contar que pretendia comprar o jornal pois fazia questão de ler a coluna dele, especialmente pelo tema abordado: Valentina.
Valentina é um bebê mais que especial para quem lê o ACV: ela é filha do casal Carlos (tetraplégico) e Maysa (fisioterapeuta), nasceu linda e saudável e já infiltrada (o termo que usado pelo Jairo para se referir às pessoas que simpatizam com a causa das deficiências).
Tive o prazer de conhecer pessoalmente Maysa ano passado, depois de conversar com ela desde antes de ser implantada…
Maysa sempre quis ser mãe e lutou pela realização desse sonho, já que a condição do Carlos não permite a concepção por vias comuns, mas nada que a medicina não permita que se realize.
Então, no segundo semestre do ano passado, começamos todos a acompanhar (de perto e de longe) a gestação da May. Lembro quando soube que ela estava grávida. E quando soube que era menina, Valentina.
Numa das nossas conversas, Maysa veio me perguntar quando o teste da orelhinha deveria ser feito.
Fiquei estupefada com a pergunta, porque o teste da orelhinha é fundamental, mas muitos pais deixam de fazer porque, apesar de ser obrigatório na rede pública, na rede privada nem sempre é coberto pelos convênios e muitos papais e mamães (segundo uma pediatra que conheço) deixam de fazer o exame porque acham que é desnecessário.
Esse teste detecta, logo nas primeiras horas de vida, se a criança tem ou não audição normal.
Há quem diga que isso é uma imposição da medicina para ‘recrutar crianças para o implante coclear, mas isso é bobagem. O fato de uma criança nascer surda não obriga os pais a implantá-la. O implante coclear não é uma condição obrigatória para surdos; embora seja comprovado que quanto mais cedo for feito o IC, melhor é o desenvolvimento auditivo da criança. Por outro lado, se os pais preferirem não implantar, mais cedo será feito o estímulo da comunicação através da Líbras. Portanto, é sim um exame fundamental, pois permite que a comunicação da criança com deficiência auditiva seja feita desde cedo, da forma que os pais acreditarem que seja melhor!
Conversando com a Maysa, pedi para que ela realizasse, se possível, o exame ainda na maternidade. Mas caso não fosse, até os 2 meses de idade é aceitável. Mas insisti que ela fizesse (de bobeira, porque em momento algum May se opôs ao exame), porque é um exame rápido, indolor e fundamental.
Pouca gente sabe, mas uma outra amiga pediatra me explicou que 50% dos casos de surdez neonatal não tem qualquer histórico de surdez hereditária e, muitas vezes, os pais só descobrem depois dos 2 anos de idade!! Portanto, não existe desculpa para achar que esse exame é bobagem.
Maysa, ao ver meu comentário no facebook do Jairo, me mandou o seguinte recado “Olha no album da Valentina, que tem uma foto especial para você”
Valentina fazendo teste da orelhinha. Com direito a foto para Tia Lak!!
Valentina fazendo teste da orelhinha. Com direito a foto para Tia Lak!

Nem preciso dizer o quanto fiquei emocionada de ver essa foto, né? Até chorei….
Bem vinda ao mundo, Valentina!
Beijinhos sonoros,
Lak

28 palpites

  1. SôRamires disse:

    🙂 🙂 🙂 pra infiltradinha lindona!

  2. Maysa Mascarin disse:

    Antes do nascimento dela, ja comecei a me informar sobre os testes a serem feito.Pezinho, orelhinha e do olhinho tbm, ainda pouco divulgado. Ninguem melhor que vc poderia me dar informações do teste da orelhinha. Me informei que na maternidade era realizado, e assim que ela veio pro quarto ja pedi que a fono viesse realiza-lo. Foi super tranquilo, indolor e de grande importancia. Fotografei esse momento, pq na hora vc estava presente la com a gente tia Lak!! 😀 Obrigado pelo carinho, Valentina manda beijinhos pra vc… 😳

  3. Ronaldo Caparroz Garcia disse:

    Taí Lak, adorei ente post.
    Vc conseguiu, com uma síntese única, contar a história do surgimento dos dois blogs. Lindo!!!
    E falar da Vatentina. Que já nasce infiltrada e sendo exemplo para outras crianças.
    Beijos Lak. 🙂

  4. Bete disse:

    Ah mas a Valentina tá muita linda. Que legal a May ter pego a dica com a Lak. Confesso que eu não sabia desse teste da orelhinha. Vou divulgar para as futuras mamães. Beijos

  5. jairo marques disse:

    Admito… dei uma choradinha… Amo vcstudo ♥

  6. Eliane disse:

    Que doce e meiga a Valentina, puxa Lak que emoção ver essa bonitinha. Essa foto é realmente linda e incentivadora para o teste da orelhinha…as pessoas, os pais precisam de incentivo pq os bebês estão simplesmente chegando, pra serem amados e orientados pq quem já chegou antes!
    Seja muito benvinda essa bonequinha linda! 🙂

  7. Greize disse:

    Super a favor do teste da orelhinha, vi na tv um médico sendo contra, quase cai pra trás.Hã?!
    Eu descobri com 10 anos, só quando colocaram o telefone aqui em casa e tb na epoca não tinha.Agora que coisa, na rede pública é obrigatório e de graça e convênios não.Que loucura.
    Mas vamos divulgar , o teste , assim ajudará a mtos pais.E que menina linda!!Mta saúde, linda Valentina 😉

  8. Cybelle disse:

    Ai Lakinha, confesso que tb me emocionei, a Valentina é uma criança pra lá de iluminada, vem em uma família maravilhosa e cheinha de tios e tias. Vai crescer um ser humano muito melhor, muito mais evoluida. Um beijo enorme pra vc minha querida, e outro maior ainda pra valentina!!!! 😛 😛 😛
    OB: Um pro papys e pra mamys dela tb, claro… 😳

  9. Maíra disse:

    É, essas coisas não tinham na minha época. Eu sou um exemplo que só se descobriu a surdez com 2 anos e foi de nascença.
    Interessante a foto para mostrar aos pais como é o teste, assim deixarão de ter medo ou receio.
    beijinhos lindoca

  10. Rogério disse:

    Dá pra ter idéia de quantos padrinhos e madrinhas a Valentina tem?

  11. Mariana disse:

    Que bebêzinha linda! Que foto linda! E que nome liiiiiiiiiindo! ;~

    E realmente, o teste de orelhinha não é bobagem de jeito nenhum, é super importante. Olha eu aqui, mamãe já desconfiava quando eu era bebê, e os médicos diziam que eu tinha audição perfeita, teve um que disse que eu agia assim para aparecer… e meus pais ficavam confusos, perdidos, porque eu às vezes escutava, às vezes não… mamãe continuou a não acreditar nos médicos, ainda achava que tinha alguma coisa em mim e só quando eu tinha 6 anos, que meus pais me levaram para um médico em Natal, considerado o melhor na época, e finalmente diagnosticou a minha surdez. Ainda tenho o meu primeiro exame de audiometria 🙂

    Beijão,
    Mariana

  12. Deni disse:

    Que linda a estrela da “Campanha do Teste da Orelhinha”!
    Super a favor Lak! Apesar de ainda não considerarem tão importante, mas é um tira dúvida tremendo aos pais caso percebam algo de errado no bebê, ou mais adiante. Se existisse tempos atrás talvez eu soubesse se minha perda é de nascença ou não… o jeito é ir convivendo com a eterna dúvida…
    bjks,

    • laklobato disse:

      Ela é uma bonequinha mesmo, né?
      O exame é fundamental, independente de COMO os pais lidarão com a surdez da criança. Se quiserem que ela seja usuária exclusiva da Líbras, ótimo. Ela será estimulada a isso desde cedo. Se quiserem implantar, excelente tb, porque ela será implantada no período crítico. Enfim, quanto masi cedo, melhor… Beijão

  13. Rogério disse:

    Minha linda, você pode me passar de novo por e-mail o link para aquela matéria de que você participou? Aproveita e repete aquelas dicas de Paris. Eu me esqueci de gravar nosso papo no MSN.
    Um beijão.

  14. Que foto gracinha Lak, Valentina fazendo teste da orelhinha…
    É de suma importância o teste da orelhinha, quantas crianças foram diagnosticadas tardiamente a anos atrás por não haver teste da orelhinha antes…..Parabéns pelo post Lak 😉

    Abraços…..

%d blogueiros gostam disto: