Intérprete Oralista: um relato pessoal de experiência

11 palpites

  1. soramires disse:

    eu sou bem fraca em leitura labial, só faço quando ouço e vejo a pessoa falando, mas para quem é craque em leitura labial é um bom recuso como você acaba de explicar…

  2. eu sou bem fraca em leitura labial, mas é bom conhecer os recursos que existem para pessoas com problemas de audição…para mim é legenda, bom sistema de som e aro magnético.

  3. Como eles VERBALIZAM enquanto interpretam, você pode pedir que falem proximo do seu ouvido.

  4. CINTHIA disse:

    Sempre tive curiosidade em ver como funciona a acessibilidade com intérprete oralista…minha leitura labial é excelente, já que nasci surda. Como eles fazem? Modulam mais, falam de frente e tal? Pretendo entrar numa faculdade ano que vem, nunca tive nenhuma acessibilidade em minha vida escolar, mas se eu posso ter esse recurso, por que não?
    Você pode me passar o contato desses intérpretes oralistas que você conhece? Gostaria de conhecer melhor esses profissionais. Obrigada!!!

    • Lak Lobato disse:

      Oi, Cinthia.

      De qual cidade você é mesmo? Bauru? Acho que a própria universidade deve ter intérpretes que trabalham em parceria com eles. Você só precisa enfatizar que a sua interpretação tem que ser oral.

      Ele irá falar numa velocidade adequada para você, sempre de frente e próximo de você, facilitando a sua compreensão. Não são todos que se dispõem a realizar a interpretação desse jeito, mas todos possuem essa capacidade, é questão de vocês conversarem.

      Beijinhos

      Lak

    • CINTHIA disse:

      Sim, sou de Bauru. Faz sentido, afinal não custa falar um pouquinho mais modulado kkkkk
      Valeu pelas dicas!

  5. É imensurável a satisfação que pude experimentar como intérprete oralista. Você mudou o meu olhar profissional, muito obrigada pela confiança!!!

  6. Marcio Figueiredo disse:

    Gostaria de parabenizá-la pelo excelente relato e também aos intérpretes! Parabéns também a Andréa Venancino.