Dicas de atendimento para surdos oralizados, implantados e/ou usuários de AASI

atendimentoVez em quando, alguém me pergunta “Qual a melhor forma de conversar com um surdo oralizado”?

Mas, muitas dessas vezes, as pessoas não estão exatamente preocupadas em fazer uma amizade de longa data com alguém só por causa das condições auditivas da pessoa. Ela quer saber porque tem um comércio ou trabalha num estabelecimento público e não sabe direito como falar conosco.

Aproveitando a época de Natal, quando o comércio fica aquecido, aqui vão algumas dicas para facilitar no atendimento dessa galera:

  • Independente de você saber se a pessoa tem ou não deficiência auditiva, fale com o rosto totalmente virado para a pessoa. Primeiro, porque é educado. Segundo, porque se ela tiver deficiência auditiva, a visão completa dos seus lábios vai facilitar muito a compreensão.
  • Inicialmente, mantenha seu tom de voz normal. Se a pessoa apenas ler lábios, é indiferente o volume da sua voz. Mas, se ela utilizar aparelhos auditivos, pode ser que ela peça para você falar mais alto. Mas, você não precisa adivinhar isso. Deixe que ela te oriente conforme suas necessidades.
  • Fale devagar, mas sem perder a naturalidade. Se você falar pausado demais, o ritmo da sua fala fica entediante demais para que a pessoa consiga te acompanhar com clareza.
  • Repita sempre que a pessoa te pedir. Ela não pede isso por maldade ou para tirar sarro. Faz porque entendeu errado ou porque tem dúvida e quer confirmar alguma coisa.
  • Se você tiver dificuldade de entendê-la, peça para ela repetir. Com a mesma naturalidade que ela tem com você. Geralmente, surdos oralizados são conscientes de que a voz possui sotaque diferente e que é difícil ser compreendido.
  • Se vocês não estiverem tendo uma comunicação realmente eficaz, apele para o “papel e caneta”. Nessas horas, o mais importante não é a via de comunicação, mas a mensagem ser devidamente passada. Essa dica é especialmente válida para o caso de você falar do valor de algo. Nem sempre a pessoa entende com facilidade números (porque não são sempre facilmente deduzíveis pelo contexto da conversa, algo que faz parte da leitura labial), então se você precisar repetir mais de uma vez e ela não entender, escreva ou deixe que ela veja o valor registrado na máquina/calculadora.
  • Utilizar a língua de sinais, caso você saiba, pode ser extremamente útil ou extremamente desnecessário. Se você fez aula de LIBRAS e sabe usar bem a língua, ofereça a possibilidade de conversar assim. Mas, se a pessoa recusar, acredite que ela não precisa ou até que ela não sabe. E não insista que ela aprenda. Vai da necessidade e vontade de cada um, incluir ou não a língua de sinais dentre as suas modalidades de comunicação.
  • Se a luz ambiente não contribuir – no caso de uma balada, por exemplo – utilize qualquer ferramenta para melhorar a iluminação do seu rosto. Mesmo que seja a lanterna do seu celular. Quando a visão substitui a audição, uma boa iluminação faz TODA a diferença.
  • Evite virar o rosto e mastigar durante a conversa. Tudo isso interfere na compreensão clara da mensagem.
  • A distância pode interferir para quem utiliza uma prótese ou implante auditivo. Se precisar se afastar, pergunte para a pessoa que ela continua te entendendo.
  • Ambientes barulhentos podem interferir na comunicação de quem ouve por uma tecnologia. Se houver possibilidade de conversar num lugar menos barulhento ou abaixar a música ambiente, por exemplo, ofereça essa opção.

O ideal é que você pergunte para a pessoa como ela prefere que você fale com ela (mais alto, mais devagar, em LIBRAS). Porque não existe uma fórmula mágica para toda e qualquer pessoa com deficiência auditiva. Cada ser humano é único. E, se você fosse adivinho, tenho certeza que teria coisas mais interessantes para adivinhar, tipo os números da Mega Sena ou coisa do tipo, né? hehehe

Beijinhos sonoros,
Lak Lobato

13 palpites

  1. Na Rodoviária de Niterói, quando vou com Miguel entro na fila preferencial, e a pessoa que fica la NÃO SABE atender preferencial, eu SEMPRE peço:
    Você pode olhar pra mim porque eu sou surda ?
    O cara fala de lado, ainda tem aquele vidro no meio, ele olha pra vc e olha pro computador e as vezes vira DE COSTAS para falar com mais alguém dentro da cabine .
    Ontem fui comprar pilha pro meu AASI e a moça da loja falava pra dentro e sem olhar, eu disse a mesma coisa.
    Sou surda de um ouvido você pode falar olhando pra mim, ela ficou sme graça e pediu desculpas ….

  2. soramires disse:

    As pessoas esquecem do recurso de escrever, ´principalmente para números, que são difíceis de entender para muitos de nós. BEM LEMBRADO. Ótimas dicas.

  3. As pessoas esquecem do recurso de escrever, ´principalmente para números, que são difíceis de entender para muitos de nós. BEM LEMBRADO. Ótimas dicas.

  4. Raul Sinedino Raul Sinedino disse:

    Hahahahaha adorei o desenho. Por que o bullying contra os implantados só de um ouvido?

  5. Lak Lobato Lak Lobato disse:

    Incentivo ao biimplante hahaha

  6. Raul Sinedino Raul Sinedino disse:

    Isso é bullying…vou denunciar.

  7. Lak Lobato Lak Lobato disse:

    Isso, faz um mimimi compartilhando o link e divulga a página. Grata!

  8. Vcs dois são muito figuras! Adorei o post!

  9. Márcia Duarte disse:

    Acabei de fazer mimimi. (Nem imaginas o quanto me ajudas!)