Instantes de reflexão

Minha mãe me emprestou um livro de crônicas da Martha de Medeiros, chamado “Coisas da Vida”. Gosto do jeito que ela escreve, leve e com a mistura perfeita entre a lucidez e a loucura. Num determinado capítulo, fala sobre apaixonar-se. Diz que a paixão nos faz reinventar-nos, de forma que a gente passa a se ver de forma melhorada, pelos olhos do outro. É, faz sentido, porque ninguém merece o tédio de passar a vida se vendo somente pelo reflexo realista do espelho.

Mas existe momentos pra tudo e a vida também faz a gente mudar de percepção de si sem, necessariamente, ser sob o olhar de alguém apaixonada – e ó, nada contra!

Percebo que é isso que vem me acontecendo, o Implante Coclear tem me mudado na maneira como eu me enxergo. E, claro, nem tudo que vejo me agrada. Mas, certamente, tem sido um aprendizado necessário e acredito que todo mundo deveria se permitir reinventar-se de vez em quando.

Uma das coisas que me incomoda é pensar no tempo que eu perdi confinada ao silêncio. Aprendizado necessário, karma, destino blablablá whiskas sachê. Mas também medo, desinformação e até recomendação errada do médico.

Vários médicos que eu fui pareceram ter noções absolutamente equivocadas do se trata o Implante Coclear e, em vez de reconhecer que simplesmente não sabem o suficiente e nos encaminhar a especialistas, dizem que “mas você fala bem, você é bem sucedida, você entende bem leitura labial, você ouve um pouco com a prótese convencional”.

Ora, veja bem, surdos adquiridos falam bem usando ou não o implante. O implante não serve somente para incentivar a aquisição da fala oral. Sucesso não tem a ver com ouvir, assim como ouvir não tem a ver com sucesso. Ler os lábios é ótimo, mas não serve para um monte de outras coisas relativas a sons. E a prótese convencional não é equiparável ao Implante Coclear. Enquanto a prótese se limita a ampliar a capacidade da audição que naturalmente, um deficiente auditivo ainda tem, o Implante Coclear permite a sensibilidade auditiva, de modo artificial, que a audição residual não alcança de forma alguma.

O implante é imediato? Não, ele leva tempo, especialmente quando o tempo em silêncio foi muito grande. Mas, veja, hoje eu levo DOIS segundos pra reconhecer o toque de telefone. Há seis meses, eu sequer os ouvia.

Não falo que uma pessoa não possa ser feliz sem ouvir. Pode e se ela opta por isso, quem sou eu pra criticar?

Mas é natural do ser humano ter sensibilidade auditiva. Ouvir os sons do mundo. Deliciar-se com uma música, com o miado de um gato, com o som da chuva. E se privar disso, é privar-se de uma parte do seu potencial de vida.

Antigamente, não havia escolha. Mas a tecnologia torna isso possível! “Mas o som é metálico”. Ora, o silêncio é a única alternativa, qual o problema de ouvir de forma metalizada, ainda é ouvir! “Mas não é igual a audição natural”. Não, não é, é uma maneira única, especial e nova de se perceber as sensações auditivas e tão maravilhosa quanto. E vale a pena, porque traz alguém que perdeu tantos anos em silêncio de volta ao universo sonoro.

Claro que não serve pra todos os casos. Claro que não é todo mundo que quer ouvir. Claro que não funciona igual pra todo mundo…

Mas, acreditem no Implante Coclear. Ele vale  a pena! Corram atrás e confirmem com um especialista se realmente não é para o seu caso. Pense em tudo que a prótese convencional não alcança e veja se vale a pena abrir mão disso!

E, como diz a Sun Melody, fico por aqui curtindo as estrelas sonoras que caem diretamente no meu ouvido e penso “estou viva, estou viva, estou viva!”

Beijinhos sonoros,

Lak

20 palpites

  1. Judy disse:

    Lak, excelentes reflexões!

    Porque tanto receio em relação ao implante, né? Se você fosse fazer qualquer outra coisa que melhorasse sua qualidade de vida, tipo dieta, meditação ou (pra colocar algo invasivo na lista) botar silicone, ninguém tava palpitando que você é bem-sucedida e não devia fazer. 😮

    Lak, a classe médica é das piores quanto a lidar com a desinformação. Da mesma forma que acho inconcebível neuros e otorrinos, entre outros, desconhecerem o IC, acho inconcebível um pediatra que desmama o bebê e taca leite em pó por desconhecer completamente o processo de aleitamento. Como esses pediatras são maioria, imagino que no caso do IC os “especialistas” também o sejam.

    Sei que peito é uma coisa e audição é outra 😳 , mas o descaso, a falta de vontade de aprender são muito semelhantes.

  2. zuleid disse:

    Lak e Judy,
    Mil vezes parabéns às duas!!!
    E posso falar de cadeira porque sou médica e sou pediatra!
    Judy, INFELIZMENTE o que você disse é a mais pura e triste verdade!
    Muitos pediatras “complementam ” o leite materno com mamadeira ao primeiro telefonema da mãe que insiste em dizer que o leite não tá sustentando. E sabe porque? Porque dá muito trabalho insistir com a mãe na amamentação, recebê-la “N” vezes para checar se esta ganhando peso de forma adequada, colocar o o nenê prá mamar e observar se a “pega” tá certa, fazer um diário de mamadas, evacuações e micções, medir os perímetros abdominais, torácicos e pregas dos bracinhos pra ver de outra forma quanto este nenê está ganhando.
    E sem contar que os convênios não pagam estes retornos!!! Mas acredito que tem também um outro problema, as mães têm informações em todos os meios de comunicação sobre a necessidade de amamentar até o 6º mês EXCLUSIVAMENTE com leite materno, que não precisa dar mais nada nem chá, nem água, e no entanto essa informação elas deletam com a primeira dificuldade e aceitam os palpites das avós, comadres, amigas e vizinhas que dizem:
    “Não vá pela cabeça de pediatra que você fica doida! Dê uma “mamadeirinha” que ele dorme a nite toda!!”]
    Agora pergunta se estas mesmas mães vão pela cabeça das amigas vizinhas ou comadres se estas disserem por exemplo prá usarem ferro de brasa! Elas aceitam os palpites que já estavam pré-dispostas a fazer por si mesmas! Um exeplo é a tal da lista de chá de berço: TODAS TEM MAMADEIRA!!! Se elas não tivessem intenção de usar não colocariam na lista!!
    E estes absurdos não param na mamadeira! Continuam com o infeliz do andador e os perfumes e os refrigerantes para crianças de 8 meses que “tava até babando de vontade vendo o copo, coitadinho! Foi só um pouquinho prá matar a vontade!”
    É isso aí meninas!
    É verdade, tem médicos péssimos e desinformados que não têm pelo menos a humildade de dizer que não sabem, não encaminham prá alguém mais experiente! AInda bem que tem gente como vocês que abrem a boca questionam reclamam e fazem a sua parte não só pra melhorar a própria vida como para orientar quem tá desinformado!

    • laklobato disse:

      Parecer de especialista é outra história. Minha mãe é avida defensora da amamentação. Tb acha um absurdo substituir aleitamento materno por fórmula com menos de 1 mês de vida… Mas, como é que a gente proibe? Aceita, né?
      Só que, se tratando do IC, não estamos falando de bebês apenas, mas de pessoas adultas que me vem com papo de “o medico me liberou do IC” como se fosse uma coisa bacana não precisar de cirurgia. Ora, se a pessoa ouvisse muito bem com AASI, tudo bem. Mas não é sempre o caso, sabe? O AASI não pode serquer ser comparado com o IC, faz coisas diferentes!!
      E, falando por mim, QUATRO medicos falaram que o IC não era pro meu caso. QUATRO!!
      Beijos

  3. zuleid disse:

    Ah, tem mais; porque ninguém questiona quando se faz cirurgia pra corrigir miopia?
    Se existem alternativas, porque não tentar pelo menos??
    Beijos!!

  4. zuleid disse:

    Pois é Lak,
    E tem gente que acha legal ter sido liberado de tentar!!
    Ô coisa dificil de entender! Se fosse comigo eu tentaria de qualquer jeito!
    Do jeito que tá eu já sei do outro jeito só experimentando prá ver (e ouvir hahaha 😉 )
    Mais beijos!!

  5. Renata disse:

    Vou comentar que também li esse livro semana passada 🙂 Embora eu não tenha gostado muito dele, que bom que te inspirou!
    Mais um belo texto e muito incentivos para quem precisa tentar desafios.
    E sobre aleitamento… não tem mãe que deixa criança tomar refri 24h por dia? Nao tem mãe que proibe filha pequena de comer demais para não engordar? Não tem pais que não vacinam filhos? Ainda não obrigaram as pessoas a terem bom senso antes de ter filho.
    Mas também não é para tanto, eu não mamei, e fui uma criança muitíssimo saudável.

  6. zuleid disse:

    Concordo Renata!
    Se a mãe não pode amamentar, não há o que discutir!!
    Até porque se fosse assim filho adotivo não sobreviveria.
    Muitas vezes é melhor uma mamadeira com amor do que peito com má vontade! O que vale é amar e ser amado!
    Beijos!

  7. Isaac Elias disse:

    LAK muito boa essa reflexão. Resumindo..rs defendemos o IC e o Aleitamento Materno,claro, caso a caso. Trabalho em um centro de aleitamento e quando da uma bracha, ninguém perde a chance de falar de AM. Que legal que a conversa integrou outros conhecimentos.
    LAK E ZUEID grande Abraço

  8. Ka disse:

    Qualquer decisão que tomamos relata muito sobre nossa subjetividade. Há o momento que nos implicamos conosco, revendo situações, emoções e consequências. Tais revisões, vão nos exigir mudanças que nem sempre para muitas pessoas é algo confortável. Mudar, apesar de necessário, pode gerar insegurança, medo, e disso se corre o risco de renunciar algo, pois a angústia se tornou maior que o desejo de mudar, infelizmente…Outro lado “esquisito” do ser humano é quando o motivo que deveria ser o propulsor de mudança se confunde com aliado, e daí o individuo regride pois considera que desta forma perderá muito…são os ganhos secundários…ou seja, prefere n realizar o IC, pois julga q n terá atenção da família, perderá alguma ajuda monetária posteriormente… é como abandonar um castelo…de areia! O importante é compreender e aproveitar os avanços da medicina em busca de qualidade de vida. Informação e responsabilidade…

    Parabéns pelo blog!

  9. Judy disse:

    Lak, como assim, “me liberou do IC”? Não é melhor encarar o medo da cirurgia na terapia?
    QUATRO especialistas? Afe! Bem, seguindo com a comparação tosca, tive 2 pediatras desmamadores. Os outros dois eram especialistas em aleitamento…

    Zuleid, fui boa menina e não fiz xixi na cama! Não pedi nenhuma mamadeira, mas houve problemas na pega e fiz relactação. Não deu mais pra amamentar exclusivo, mas deu para manter por mais de 2 anos.

    Renata, digamos que você teve sorte. A introdução precoce do leite de vaca é fonte de alergias, como eu descobri aqui em casa: filha ficou mega-alérgica, com enterocolite e anemia 😥 ; aqui em casa não entra nada de leite, nem traços. Quase um feudo, entram as matérias primas e preparamos, nada industrializado. Natureba à força, logo eu!

    O Lak, desculpa falarmos de aleitamento aqu 😳 i, mas acabou rendendo, sacumé… É que falar de comodismo e desinformação remete muito a isso…

    Há jogo de interesses financeiros, quanto ao IC? Pergunto porque no caso do aleitamento há um poderoso lobby leiteempozífero, historicamente comprovado… Alguém ganha 😈 se as pessoas não fazem o IC?

    Que tal indicar gente boa que trabalha com IC, ou que pelo menos faz um bom diagnóstico dos casos em que é indicado?

    Beijos

    • laklobato disse:

      Como eu vou explicar? Eu ouço isso com um tom de alivio, sabe? Sem que a pessoa perceba que quem perde com isso é ela…
      Fiquem a vontade pra debater qq assunto, o blog é area livre.
      Sobre interesses financeiros. Na real, o que tem é plano de saude querendo parar de pagar alegando mil motivos… E o SUS cada vez mais saturado…
      Boa sugestão, farei isso sim!! Vou ver se Aline (minha santa e amada fono) não dá uma mão nisso.
      Beijos

  10. Andressa Engel disse:

    Lak, hoje estava fazendo quimioterapia e levei o notebook p ficar treinando libras e aí a enfermeira apareceu com uma outra enfermeira fazendo os sinais de libras, ai ela disse que o irmão é surdo e por isso aprendeu os sinais…falei do implante e ela disse que o irmão não quer fazer pois o médico disse q nunca mais ele poderia nadar…Isso é verdade?
    Bjus

    • laklobato disse:

      Lógico que não. Não apenas podemos nadar, como o implante aguenta pressão de até 40m de profundidade (embora alguns médicos recomendem que não se passe de 25m) e outros acham melhor não fazer mergulho autônomo (com cilindro, embora o mergulho livre seja permitido), mas varia conforme o profissional e a opinião dele.
      Já me falaram que eu não ia poder molhar a cabeça com água fria senão ia tomar choque no cérebro e morrer, mas é mentira também.
      O IC tem pouquíssimas restrições (eu achava o aparelho fixo de dentes muito mais restritivo, pra ser sincera). É recomendado que se evite esportes de alto impacto, especialmente lutas, que podem provocar golpes fortes na cabeça, porque poderia quebrar a parte interna.
      Mas, são casos extremos e, pra maioria das pessoas, sequer faz diferença no dia a dia. O IC tem a proposta de aumentar e melhorar a qualidade de vida, não nos restringir.
      Beijocas

%d blogueiros gostam disto: