Luz, som e aquele tal de “o tempo passa”.

Quando eu perdi a audição, tinha a fala nomal, uma vez que a minha audição era perfeita. Mas, como boa fala requer bom feedback (retorno) auditivo, mandaram-me para a fonoaudióloga, para mantê-la.

Já contei que eu fiz fono durante 8 anos com uma fono xará da minha mãe, né? Eliane, o nome dela… Enfim…

Deficiente auditivo – salvo crianças implatadas antes dos 6 anos – não tem alta com fonoaudiologia. Tal como a diabetes, é uma “doença crônica” (ou melhor, privação crônica do som) que requer cuidado pra vida toda. No caso das crianças implantadas, soube que elas tem alta depois de  5 anos, mas não confirmo sob parecer de especialista. Sou leiga, lembrem-se disso.

Enfim, apesar da gente não ter alta formal, a gente para sim, o tratamento de tempos em tempos. Porque custa caro, porque enche o saco e porque – apesar de não ser muito sensato – a gente pode, oras…

Mas, como falei ha uns posts atrás, o relacionamento entre terapeuta (seja qual for a terapia que ele faça, fisica, auditiva, mental) e paciente precisa ser uma parceria de cumplicidade, porque o sucesso depende do empenho dos dois…
No caso da Eliane, apesar dela ser fonoaudióloga, não é especializada em reabilitação auditiva, mas em reprogramação neurológica (eu cai nela por acaso, ja que a fono especilizada em R.A. saiu de licença maternidade), mas a gente acabou criando um vínculo forte e eu fiquei meio dependente dela a adolescência toda. Se, por um lado, não exercitei tanto a voz como deveria, por outro, ela me ensinou a respirar, a pausar, a criar confiança em quem eu era, mesmo com uma mudança de vida tão grande quanto tive.

Depois dos 21 anos, dei-me alta até retornar em março, com a Aline, por causa do Implante Coclear.

Mas, sempre tive um carinho especial pela Eliane e, volta e meia, procuro algum tipo de contato com ela. E ontem, depois de um bom tempo sem vê-la, reencontramo-nos para almoçar. Foi uma situação emocionante pra mim, porque ela ainda não tinha me visto implantada. Mostrei o IC, contei das mudanças de percepção sonora. E das mudanças físicas e emocionais, que são grandes. O IC, pelo menos para mim, representa uma grande mudança global do individuo que eu sou.  E, nessa fase transitória – que deve durar até o último mapeamento desse ciclo, em dezembro, além dos proximos anos de adaptação – foi bom conversar com uma pessoa que me conheceu melhor do que ninguém antes disso acontecer.

Uma das coisas que ela me disse foi sobre a mudança da voz. Realmente, por conta do feedback auditivo, é esperado que a fala do implantado se abra (sim, esse termo é esquisito, mas é isso mesmo, porque basicamente, surdo oralizado costuma falar baixo e de forma introspectiva, por receio. Quem fala alto demais são os deficientes auditivos que tem bom feedback com a prótese convencional e que aumentam o volume pra se ouvir melhor) mas, apesar de eu ja ter boa articulação – sempre tive, por causa da leitura labial, a fala se torna bem articulada, porque é um reflexo visual – melhorei muito na sonorização, porque solto mais a voz, falo mais alto e pronuncio todas as silabas, coisas que eu não fazia, embora articulasse todas elas, eu deixava de emitir voz nas últimas, sem querer. Mas, ainda assim, falta alguns aspectos do mapeamento para a fala ficar perfeita.

Por outro lado, o IC não trata a parte psicologica sozinho, isso também leva tempo. Então, ela comentou que o medo ainda está visivelmente (ou melhor, audivelmente) presente na minha voz. A sugestão dela: “Cante!” Ao ouvir isso, dei risada. Como assim, EU cantar? Mas ela insistiu nisso, disse que cantar faz bem, porque mexe com  a emoção. Falei que ia ensurdecer o prédio todo. Ela riu e disse “problema deles” hehehe

Enfim, não sei ainda se a dica funciona, mas achei boa e resolvi repassar no blog. Boa fala pode ser treinada em casa, com exercícios de oratória e canto, segundo as fonos que tenho o prazer de ter na minha vida. Elas fazem a parte dela, nós fazemos a nossa e conquistamos o mundo. O implante vale muito a pena, não me canso de dizer!

Beijinhos sonoros e ótimo final de semana,

Lak

32 palpites

  1. Kali disse:

    SIM SIM!!!!! Cante! Cante! Mas sem o receio de antes… cante como se não houvesse amanhã! Lembra daquela frase? “Trabalhe como se não precisasse do dinheiro. Ame como se ninguém nunca o houvesse feito sofrer. Dance como se ninguém estivesse olhando. Cante como se ninguém estivesse ouvindo. Viva como se aqui fosse o paraíso.” … Fazer tudo ao mesmo tempo é meio improvável, mas a parte do cantar e dançar é beeem viável! Me aguarde que uma hora eu chego aí e te faço companhia na pagação de mico! 😉
    Bjsssss

  2. SôRamires disse:

    Cante, cante, cante!
    Que tal João Gilberto e Nara Leão, vozes afinadas e nada gritantes!
    Cante canções de roda, cirandinha e leia poesia ou teatro em voz alta. Isso faz um bem danado!
    Eu nunca deixei de cantar e me ajudou e ajuda muito. 😮 😮 😮 😮

  3. Paty disse:

    Iiih, Lak. E vc tá preocupada com o resto do prédio?! Canta, que faz bem pro corpo e pra alma! Além de ser, de certa forma, um treino de voz, isso relaxa, descontrai, anima a gente. Um beijão pra ti!

  4. TANIA disse:

    Olááá…desculpe …mas estava navegando pela net, e nem sei como cai no seu blog, mas foi uma felicidade enorme, pois acredito q tudo nesta vida tem um pq…pois bem vou explicar: sou ouvinte, mas tenho na familia d.a.
    Tenho duas sobrinhas…uma com 25 anos e outra com 15 anos…e um primo de 23…os tres são d.a.
    a de 25 anos se formou em janeiro deste ano em medicina…e a de 15 esta sendo alfabetizada, um caso um tanto qto complicado, mas q esta caminhando…as duas sobrinhas fizeram i.c. o primo não.
    Convivemos na melhor maneira possivel sem problemas!!!
    Cada qual com sua realidade, pois são deficiências iguais, mas tão diferentes uma da outra…cada um tem seu grau de audição e superação…mas amo todo progresso realizado, e em especial a nossa mais nova médica da familia…
    Um beijo e parabéns pelo seu blog…
    Quer entrar em contato comigo???
    taniazorzetto@hotmail.com 😀

    • laklobato disse:

      É, eu sempre falo isso aqui. A deficiencia auditiva tem um universo de diversidade imenso. Cada caso é um caso, não dá pra reduzir todo mundo a uma visão única, porque não é assim.
      Adicionarei vc no MSN sim.
      Beijos

  5. Flavia Nenoa disse:

    olha só! gravemos uma musica juntas então! Beijo Lakzinha!

  6. zuleid disse:

    Cadê o video de sua estréia musical?
    Vamolámenina!
    Aproveitando a dica da Sô:
    João e Maria de Chico Buarque lindamente cantada por Nara cairá como uma luva prá você!
    e aproveito prá continuar a campanha : Vem Maíra, Vem Maíra!!!
    E cante com a Lak e com a Alessia que muito menor que vcs duas já tá cantando!
    Beijos!!! Beijos!!!

    • laklobato disse:

      Eu sei cantar só a primeira estrofe hehehe gostava dessa música quando criança.
      Sobre a Maíra, ela não tem planos de fazer o IC ainda, uma pena… =(
      Beijinhos

  7. Bete Araki disse:

    Quem canta seus males espanta!

    bjs

  8. Caty disse:

    1# Eu também falo baixinho. Como não consigo identificar se o ambiente está silencioso ou barulhento, por via das duvidas prefiro falar sempre baixo do que alto, pois se o ambiente estiver em silêncio, só vou chamar atenção de todo mundo. O chato é que tem gente que acha que falo assim porque não consigo falar alto ou não tenho voz hahaha

    2# Você trabalha na Berrini? Eu trabalho lá, então se quiser podemos marcar um almoço.

    3# Você tem a opção de quando for responder os comentários do blog, permitir que a pessoa que comentou receba uma notificação por email pra ela saber que você respondeu o comentário? Já vi isso em outros blogs.

    Beijo!

    • laklobato disse:

      É uma tendencia de surdos falar baixo mesmo… A não ser, quem usa aparelho e tenta ouvir a própria voz. Com o IC, eu ja falo em altura mais normal, mas não o tempo todo.
      Trabalho no Brooklin, mas longe da Berrini, quase na V. Olimpia.
      Não sei dessa opção não, mas eu SEMPRE respondo os comentários. Raras vezes que não… Mas, vou ver se coloco dele avisar via email.
      Beijos

  9. SôRamires disse:

    aproveitando a dica da Zu
    http://letras.terra.com.br/chico-buarque/45140/

    vamos cantar com o Chico…tai a letra e música.

  10. SôRamires disse:

    http://letras.terra.com.br/gal-costa/46100/

    é só procorar no nosso amigoGoogle digitando “letra e música (nome da música” que aparecem essas páginas com o vídeo mais a letra. Ebaaaa! Vamos cantar!

  11. Caty disse:

    Oi Lak, eu sei que você sempre responde os comentários rsrs…mas é que às vezes podemos esquecer de voltar pra ler a resposta. Por isso a sugestão de receber uma notificação via email seria uma boa!
    Ah V. Olimpia não é tão longe assim, se voce quiser podemos marcar um “happy hour” no shop morumbi depois do trampo, o que achas? Eu gostaria muito de conversar com você após esses anos todos.
    Beijos!

  12. Judy disse:

    Laaaak, não faz isso com a gente! Canta e vem contar pra nós como foi.

    Se os caras se escutam cantando no karaoke e não morrem (acredite, “cantam” nessa sentença é eufemismo), você sobrevive! Não tenha receio! O chuveiro é um dos melhores lugares para os tímidos, tem ruído de fundo e dá a necessária sensação de isolamento. 😉

    Beijocas

  13. Judy disse:

    Ui, Lak, desculpe a mancada!

    Então, qualquer local privado com ruído de fundo… Acompanhar música com fone de ouvido rola? Também é legal pra caramba. Ou botar som bem alto, assim os outros nem notam quem está cantando junto…

    Beijos!!!

  14. Walter disse:

    Olá Lak,

    Eu sou surdo profundo, 47 anos, moro em São Paulo e sou usuário de Implante Coclear Bilateral, com cirurgias sequenciais. A minha primeira cirurgia de IC foi realizada em 2006. A segunda, em 2009, sempre no HC de São Paulo.
    Há algumas possíveis causas da minha perda auditiva súbita e profunda bilateral (95 db) : quimioterapia, nefrite crônica com o uso de fortes antibióticos (ototóxicos) e PAC Meningite.
    Hoje, sou muito feliz com os meus dois implantes e uso o celular sem problemas, até por que eu sou pós-lingual e fiquei só um ano sem ouvir nada.
    Gostei de seu blog. Eu tinha um também, mas o provedor…fechou… O meu blog chamava-se “Blog do Walter”.
    Quero trocar idéias com você a respeito do IC.
    Semana passada eu conversei com o Dr. Robinson Koji, da equipe do HCFMUSP e ele citou o seu nome. 😉
    Se você puder informar um e-mail para o qual eu possa enviar as mensagens, eu agradeço.

    Abraços sonoros bilaterais!
    http://desculpenaoouvi.laklobato.com/wp-includes/images/smilies/icon_wink.gif

    Walter
    São Paulo – SP

  15. Armando disse:

    Desculpe o atraso do palpite. É só pra dizer que quero cantar com você! Bjs, Armando.