O som do coração

Conheci o Rodrigo aqui no blog. Ele começou a ler por indicação no blog da Paula Pfeifer – o crônicas da surdez.

Deveria ser meados de 2011, ele estava pesquisando sobre o implante. Embora, como a maioria de nós, achasse que não era para o caso dele, porque ele ouvia bem com aparelho.

Não sei bem a causa da surdez do Rodrigo, só sei que é progressiva e, àquela altura, ele já não ouvia praticamente nada sem aparelho. Até cheguei a conhecê-lo pessoalmente no encontro de Implantados do Rio Grande do Sul, em 2012. Tinha uma compreensão excelente por leitura labial + aparelho e uma voz com pouquíssimo sotaque. Daí a dúvida quanto ao IC.

O tempo passou, ele se casou e tempos depois, acabou optando por fazer o IC. Amou o resultado e aproveitou para fazer do outro lado também. Assim como eu, é um biimplantado satisfeito.

Acompanho muito da vida dele pelo Facebook, sei que ele é uma dessas pessoas que tem sorte de ter o melhor resultado com o IC: fala no telefone, ouve música e não depende mais da leitura labial.

Hoje, ele publicou um texto LINDO no Facebook, que resolvi compartilhar. Lindo, porque fala de um som cujo valor não pode ser mensurado. É algo que só quem perdeu ou nasceu sem audição sabe o valor da conquista. Mas não tem quem não se emocione com esse som.

Com devida autorização, compartilho o texto do Rodrigo Nunes:

“Hoje a vida me nocauteou.

Foi a maior porrada que já levei desde que me bateram lá em 1976, quando apanhei do médico obstetra sob pretexto de que eu tinha que chorar pra respirar. Aquele FDP…

Não faz muito, há poucos minutos atrás eu apanhei outra vez. E chorei de novo. Chorei de pingos, como diz a Marcella.

Mas desta vez quem me bateu com toda força foi a vida. Uma vida minúscula, do tamanho de um feijão. E o mais insano: um feijão com um coração batendo dentro dele.

E eu OUVI. Cara, eu OUVI!

Tudo o que eu mais queria na minha vida: OUVIR o coração daquele feijãozinho. Há 9 meses – o tempo de uma gestação! – fiz a cirurgia do Implante Coclear com um objetivo muito bem definido: ouvir meu filho. E eu ouvi e chorei de pingos.

Apanhei da vida hoje. Uma surra humilhante.
Foi uma lição impiedosa de amor pelo feijão.

Carol, TE AMO!”

Junto com o texto, havia a foto do ultrassom do bebê

RodrigoCarolina

Certeza que ouvir é uma dádiva. Mas para nós, que tivemos que escolher pelo implante, é uma dádiva conquistada. E não tem som mais bonito do que aquele que a gente passa a vida toda desejando ouvir.

Parabéns, Rodrigo e Carolina!

Que essa criança tenha muita saúde e seja uma matraquinha, para fazer valer os implantes do Rodrigo!

Beijinhos sonoros,

Lak Lobato

6 palpites

  1. Renata disse:

    🙂

    Amei , historia linda Lak!!
    Como mae , tenho certeza q o Rodrigo ira ter muitas alegrias sonoras ou nao! Parabens ao casal!

  2. inês laborinho disse:

    pronto, mais uma a chorar! Lindo!

  3. Eliane disse:

    Lindo! chorando aqui tb! e, acabo amando cada vez + o IC, ao ler essas maravilhas de depoimentos de cada um que é beneficiado por ele. 😉

  4. Jefferson Pedrino disse:

    Perfeito! Cada vez me encanto com os “milagres” que o IC proporciona ao usuários desta fantástica tecnologia. Assim como a Lak, a Paula e demais implantados no mundo, através do IC passei a fazer parte deste maravilhoso mundo do som. Parabéns Rodrigo! 😉

  5. Rogério disse:

    Lak, quando ouvi o coraçãozinho do Lucas via ultrassom, pareceu que o chão tinha sumido e eu flutuava. Não é força de expressão, foi assim mesmo que me senti. Imagino, então, a emoção do casal Rodrigo e Carolina, principalmente a dele pelas circunstâncias. Não tem preço, devem ter sido as lágrimas mais deliciosas que o Rodrigo chorou ‘de pingos’ (adorei a expressão). Felicidades aos três.

  6. Andrea disse:

    Lindo demais..
    Chorei!!!
    Eu como usuária de aparelho sei o quanto esses sons são especiais para nós…
    Ainda mais agora que estou tendo uma perda considerável da audição que deveria estar estável.
    Obrigada por compartilhar Lak.