Orelhas da liberdade: Enfim, o Kanso!

Minha história com o Kanso, diferente do que se imagina numa história de um aparelho auditivo, é uma história de sedução.

Admito que nunca tive muito interesse em aparelhos extra-auriculares (que ficam fora da orelha). E quando vi a divulgação do Kanso no Facebook, não achei nada demais. Até porque, teoricamente, o processador dele é igual ao do Nucleus 6, coisa que eu já usava há bastante tempo e estava feliz e satisfeita.

Um belo dia, estive num evento em Campos do Jordão e vi o Kanso pessoalmente. E, tenho que dizer, naquele dia ele me ganhou. Virei fã e quis esse processador com a força de mil sóis.

Entrei em contato com o fornecedor, para saber quando iria chegar no Brasil e entrei na fila de espera. E esperei, esperei, até ele chegar no Brasil e eu finalmente tê-lo comigo.

Lembro que na hora de decidir a cor, veio a ideia de escolher o marrom, em vez do preto. Parece meio louco, logo eu que sempre gritei aos 4 ventos que só queria saber de processador preto. Mas aí, decidi pelo marrom, porque meu cabelo estava castanho claro e achei que não ia combinar uma peça única preta no meio do cabelo. E foi assim, ele veio marrom para minha vida, com uma cara de chocolate, um bombom que é tudo de bom mesmo!

Eu poderia fazer um review igual a todo usuário apaixonado. Bom, na verdade farei, mas antes quero contar a primeira reação que tive quando saí com o Kanso…

Foi engraçado, porque nunca me imaginei nessa reação, porque não escondo a surdez jamais. Mas, eu tirei o processador esquerdo (só tenho o Kanso de um lado, já que não sabia se iria gostar tanto assim) e coloquei o Kanso no lado direito. Fiz uma trança em cima dele, de modo que nada ficava visível. E saí assim. Foi uma sensação muito louca. Por mais que a gente fala em não ter vergonha de expor aparelhos auditivos, mexeu com meu orgulho. Foi a primeira vez, em quase 30 anos, que eu saí me sentindo 100% eu. Não eu + meus implantes como costumo ser. Apenas eu, Lak, uma peça única. Não que eu estivesse curada da surdez, mas eu estava tão integrada com o Kanso que viramos um só.

Mas, deixando de lado esse momento inicial, eu percebo sim que estou usando o aparelho. Sou muito sensível e sinto o imã colado na pele. E estranho a leveza na minha orelha. O que me causa um tique de mexer nela de vez em quando. Tipo, verificar se está tudo bem. Louco demais isso, né? haha

Agora, falando do que interessa….

Os prós do Kanso na minha opinião:

  • O processador em si: eu ainda não tive coragem de sair sem a safety line prendendo o Kanso no cabelo sem a presilha. Vez em quando derrubo ele e a safety literalmente me salva.
  • Microfones: percebi que ouço melhor quando falam atrás de mim, do que normalmente com o Nucleus 6. Talvez pelos microfones do Kanso serem laterais e não frontais. Como uso em conjunto com o Nucleus 6 no lado esquerdo, fiquei com uma sensação de audição de coruja, em 270º
  • Baterias: A maior reclamação sobre o Kanso é não ter baterias recarregáveis. Eu particularmente não tenho esse problema, eu sempre gostei mais de usar pilhas que bateria, já que elas duram mais tempo, embora sejam caras, eu compro no exterior e acaba não pesando muito no meu bolso.
  • Compartimento de baterias: por e tirar a tampa (coisa que o povo reclama) não vejo nada demais. Problema é que só consigo tirar a pilha usando o imã do processador esquerdo. Sei lá, tenho a sensação que ela não quer sair de jeito nenhum.
  • Falar no telefone: estou há pouco tempo com o Kanso e normalmente não sou muito de falar no tel, mas tive que atender o interfone de casa de repente e eu só ouço do lado direito bem o suficiente para atender. A reação foi extremamente espontânea: virei o microfone pra baixo e coloquei o interfone em cima. Mas, admito que usar o Phone Clip facilita as ligações pelo celular haha.
  • Botão de liga e desliga: Tenho tanto o hábito de tirar a pilha para desligar o IC, que eu ainda não me entendi com esse botão. O que pra mim, não faz muita diferença mesmo. Ele é fácil de apertar para trocar de programas.
  • Resistência a água: confesso que é único ponto fraco. Eu me sinto receosa de usar o Kanso em dia de chuva. Com o Nucleus 6, eu saio de boa, sem preocupações, mas o Kanso, o guarda-chuva se torna item de extrema necessidade.

Se alguém me perguntar: eu devo escolher o Nucleus 6 ou o Kanso, vou ter que ser honesta e responder que depende muito do perfil da pessoa. O que ela quer. O que é mais importante pra ela.

De fato, para quem prefere baterias recarregáveis, é um gasto a mais com pilhas. Mas aí tem aquela história de que você não ter que se preocupar em comprar cabo de antena nem antena. O ideal é colocar essa questão na balança na hora da escolha. Eu já perdi cabo e antena e já tive que repor e confesso: me pegou mais desprevenida que ter um estoque de pilha em casa.

Particularmente, acho os dois modelos maravilhosos, com prós e contras. A escolha do Kanso, no meu caso, foi por estética. E confesso que me trouxe mais conforto emocional do que eu imaginava. Por outro lado, acho o Nucleus 6 mais “seguro”, pela resistência maior a água, pela entrada de cabo de áudio, pelas baterias recarregáveis.

Mas o Kanso… ah, o Kanso me seduziu de jeito, viu?

Beijinhos sonoros

Lak

50 palpites

  1. O que realmente me incomoda no IC é o peso na orelha. No começo eu sentia muita dor naa orelhas, chegando a chorar e não aguentar virar a cabeça num travesseiro. Acho que é a única coisa que realmente me atrai no Kanso, mas confesso que acho ele frágil demais. Tenho medo de umidade, quedas, pancadas, sei lá. Sou tão esbanada! Mas adorei seu relato, Lak! Deve ser uma sensação realmente libertadora!

  2. Que legal!!!! Acho que o Dani ia curtir principalmente porque hoje ele só usa o Nucleus 6 com faixinha e tem muita dificuldade de aceitar o processador na orelha. Mas esse ponto da resistência à água que você colocou é importante. Acho que talvez na idade dele o nucleus ainda tenha mais vantagens mas sou louca pra ele testar o kanso também!!! Que legal seu review!!! 😘

  3. Tiago Barbosa Tiago Barbosa disse:

    Acho o kanso com uma anatomia melhor que o Rondo… Trocaria meu Rondo nele fácil.. Rs

  4. 🙂 adorei ler suas impressões como o Kanso…explicações técnicas sobre o aparelho são boas mas é maravilhso as impressões de quem está usando…já simpatizei com ele pela forma, é lindo mesmo…a agora sei do funcionamento. Textos assim são muito importantes, até para quem não usa IC…Parabéns e uma vida feliz com seu novo companheiro cor de chocolate.

  5. Tenho um filho de 5 anos implantado bilateral com o Nucleos 5, meu maior problema é a quantidade de cabos e antenas que sempre compramos. Pra você ter idéia, ele está com as duas antenas trincadas, e os cabos troquei um em setembro e o outro em dezembro.
    Você que vive as duas experiências, acha que agora, na fase de alfabetização escolar, seria interessante trocar o processador pelo Kanso?
    Sempre leio os seus relatos e me ajudam bastante a compreender meu filho!
    😘

    • Lak Lobato Lak Lobato disse:

      Oi 🙂 obrigada pelo questionamento. De fato, aparelho nenhum tem restrição de idade. Mas, algumas coisas podem ser consideradas para fazer essa escolha. Por exemplo, como falei com a Mariana, num comentário acima, ele não tem entrada para cabo de áudio, por isso, não dá para usar fone de monitoramento. E ele tem um pouco menos de resistência a água que o Nucleus 6, por exemplo (pelo fato de usar pilhas, ele tem aberturas para entrada de ar, a resistência a água do N6 depende do uso da bateria recarregável). E ele usa apenas pilhas, pois não tem recarregável. Acho que vale a pena conversar com a fono que acompanha o caso dele e pedir opinião sobre isso. Eu gostei muito do Kanso e com a safety line, ele não cai. Mas, acho que é uma escolha muito subjetiva.

    • Entendo, os aparelhos farão 5 anos e ja apresentam pequenos defeitos, além de terem a tecnlogia mais atrasada. Vou conversar com a fono e pesar o que em nosso é mais vantajoso. Porque sinto que o aparelho pesa na orelha, ele chega em casa cansado e a primeira coisa que faz é tirar os aparelhos para descansar… Por isso pensei no Kanso, mas realmente a resistência de água é muito importante..
      Obrigada pela atenção
      😘

  6. tem uma maluca andando por aí com um bombom grudado na cabeça kkkkk

  7. Eu me encantei por ele tb. Apesar de achar meu filho muito pequeno pra usar. Lak pode nos dizer o valor desse processador?

  8. Lak Lobato vc pode me tirar uma dúvida fiz a ativação do núcleo 6 dia treze e pensava que era a prova de água mas a Fono falou que não é me deu um desumidificador !

    • Lak Lobato Lak Lobato disse:

      ele é a prova d’água sim. A classificação do Nucleus 6 é IP67. OU seja, ele só não serve pra nadar/mergulhar, mas pode molhar sem culpa sim. No entanto, isso não desobriga a usar o desumidificador. Ele serve para tirar a umidade que permanece no aparelho e a longo prazo, enferruja as partes metálicas. Por isso, é fundamental usar o desumidificador todas as noites. 🙂

  9. Estava lembrando aqui que uma das primeiras vezes que falamos foi sobre o Rondo, eu dizia que era muito confortável ñ ter nada nas orelhas e vc realmente me disse que ñ fazia questão disso poe já estar com aos orelhas acostumadas e ñ tinha interesse por um processador peça única, fiquei feliz que vc está aprovando o uso do Kanso, se tiver muitos dias com ele vai sentir quando usar o n6 nesta orelha ,parabéns pelo texto

  10. Eduardo Evaristo disse:

    Em breve eu irei implantar, mas estou indeciso qual devo escolher, kanso ou nucleus 6.. qual voce acha para esporte radical? Qual deles tem melhores recursos para segurar, tipo cabo, gancho etc. O kanso nao tem cabo? somente pelo bluetooth?

    • Lak Lobato disse:

      Oi, Eduardo. Acho que essa escolha é muito individual, porque depende do perfil de cada pessoa. Ambos os modelos seguram bem. O que define isso não é o modelo do aparelho, mas acertar na potência do imã, para que fique firme (mas não ao ponto de machucar). Eu uso a mesma força nos dois modelos. Só percebo que o Kanso segura um pouco melhor pela questão dele ser mais largo. E ele tem safety line – linha de segurança que permite prender no cabelo ou na roupa. Já o Nucleus 6 tem ganchos que permitem prender o processador na orelha.
      E não, o Kanso só permite conexão via wireless já que não tem entrada e cabos.
      Se você me perguntasse qual prefiro – pelo meu estilo de vida – eu escolheria o Kanso.
      Beijinhos

  11. Martins Rodrigo Dias disse:

    sabe o legal do Kanso, bom não sei outras pessoas, mas o uso do IC fez com que minha orelha ficasse para frente, então as novas cirurgias podem evitar isso. já fazem 6 anos que uso ic e nos dias de mais calor sinto o peso mair dele na orelha devido a transpiração natural.

    • Lak Lobato disse:

      Acontece sim essa questão de mudança na posição da orelha. De fato, nesse sentido, o kanso é uma vantagem. Se você usa Cochlear, pode fazer um upgrade pro Kanso haha beijinhos

  12. ligya lima disse:

    Bom dia! como foi essa aquisição do Kanso? teve que comprar? o plano cobriu? fiquei muito interessada nele…. Faço uso do Nucleus 6, mas confesso que fiquei curiosa por essa liberdade nas orelhas…..

  13. rizoneire disse:

    bom dia….Lak, para uma criança de 07 anos, o que orientaria sobre o uso do Kanso. Estou em duvidas sobre o kanso ou nucleos 06. obrigada.

  14. ligya disse:

    boa note, como não existem lojas aqui onde moro da Politec, entrei em contato com um representante em Recife e o mesmo alegou que a aquisição do Kanso custa 37 mil reais…. Pode dizer se esse preço confere mesmo? super caro!