Pequenos mestres

Como todo mundo sabe, eu não tenho filhos. E por isso mesmo, acho que não tenho muito jeito com criança e dificilmente chego muito perto delas. Tenho medo de fazer besteira hehehe

Mas, se tem algo que acaba com todas as minhas “defesas” são as crianças que tem alguma deficiência. Porque, óbvio, com elas rola uma identificação absurda e porque lembro bem da “alergia” que a maioria das pessoas tem com os pequenos com alguma diferença.

Esses dias, uma amiga fonoaudióloga, que também é deficiente auditiva e usa aparelho, pediu para eu adicionar no facebook uma paciente dela, para conversar sobre a vergonha de usar aparelho auditivo (AASI). Qual não foi a minha surpresa de descobrir que a paciente era uma linda menininha de 9 anos?

Apesar do receio que eu tenho de chegar em criança, não tive como negar esse pedido, já que 9 anos é exatamente a idade que eu tinha, quando perdi a audição.

Começamos a conversar, a Letícia é uma menina super sensível e inteligente, que tem excelente resultado com AASI e só não usa porque se sente diferente, já que lá na cidade dela só ela usa aparelho.

Uma das coisas que mais me incomoda em relação às próteses auditivas é justamente isso. Ainda é vista como algo vergonhoso de se usar. Ninguém usa, ninguém fala do assunto, raramente a mídia divulga e sempre com um tom de coitadismo. É um horror. Não existe nenhuma naturalidade em você simplesmente procurar um recurso que te permite usufruir de um sentido que precisa de uma ajudinha. Raramente a gente vê um personagem de filme, novela, seriado, minissérie, peça de teatro que use aparelho. E quando usa, também a única informação que se dá sobre a vida da pessoa. Deficiente auditivo é isso: deficiente e mais nada.

Não sei como era nos tempos do guaraná com rolha em relação aos óculos de grau, mas desde que me entendo por gente, nunca vi drama em relação aos óculos. Personagem usam óculos. Raramente algum se presta a explicar o motivo disso. Corrigir miopia, astigmatismo, hipermetropia é super normal. O personagem com óculos tem uma vida, uma história, familia, trabalho, sentimentos relacionados a tudo, menos aos óculos, porque ele simplesmente usa e ninguém se presta em saber o motivo.

Mas, com aparelho auditivo não. Aparelho é tabu. Personagem só usa se tiver algo muito importante para envolver na história. E raramente se fala algo mais que detalhes sobre a surdez dele. E sempre precisa explicar porque ele usa aparelho, o quanto ele ouve (ou não) com aparelho. E sempre vai ter algum desfecho que vai envolver específicamente o problema de audição dele. Enfim…

Para quem acha que não tem nada demais nisso, que surdez é um assunto chato; que não tem porque ficarem abordando esse “tema médico” sem necessidade, saiba que o resultado disso é que milhares e milhares de pessoas que teriam excelentes resultados com aparelho, que teriam uma melhora significativa na qualidade de vida, que poderiam sair do casulo com muito mais facilidade, não se sentem confortáveis sequer de falar da sua condição, que dirá expô-la usando um aparelho que ainda causa estranheza, que “denuncia uma fraqueza”, que é motivo de dedos apontados e cochichos que incomodam?

A vergonha de muitos só vai acabar quando houver naturalidade em usar aparelho. Quando o assunto for divulgado sem se restringir a falar do lado ruim e chato e triste e problemático da vida de quem usa aparelho auditivo, porque afinal de contas, o aparelho que tanto pode acrescentar, é sempre tido como um “mal necessário, mas se a gente puder evitar evita, né?”.

Enquanto isso, penso na conversa que tive com a Letícia, que me colocou cara a cara com a menina que fui aos 9 anos e também sentia vergonha de usar aparelho, porque ninguém mais usava. Tudo bem que o no meu caso, o resultado era frustrante, mas ainda assim…

Ela me disse que a mãe dela mostrou pra ela que todo mundo tem algum defeito e não tem nada de errado em usar aparelho. Eu respondi “Não acho que usar aparelho seja um defeito, é apenas uma forma diferente de ouvir. Mas sim, todo mundo tem alguma coisa diferente.” Isso porque, com o aparelho, ela consegue inclusive falar no telefone!!

Apresentei ela para outra mocinha de 10 anos que tenho no meu perfil, também deficiente auditiva, Fernanda. E as duas ficaram amigas, porque tem algo em comum!

No final da conversa, Letícia me deixou um recado no meu perfil:

“Como é bom fazer amizades.
Muito bom ter em meu mundo alguem como eu.
Boa noite em especial a Lak Lobato. — se sentindo abençoada.”

Letícia, eu que te agradeço pela paciência comigo. Porque, ainda que você não saiba, aprendi muito mais com você do que você comigo.

Beijinhos sonoros,

Lak

18 palpites

  1. Ana Clara disse:

    Posso chorar com um relato desses? 🙂 Até quando um mero aparelhinho auditivo será motivo de vergonha para nós? Quando vejo essas histórias sinto um orgulho danado de ver que meus três filhos simplesmente não se importam com essa questão “estética” do ASSI , inclusive meu filho de um ano me cobra quando estou com aparelho de um só lado. Bora educar essa nova geração para que qualquer tipo de “ajudinha”, como disse a Lak seja a coisa mais natural do mundo, afinal ser diferente é uma coisa perfeitamente normal né? Bjinhos

    • laklobato disse:

      Essa ‘antinaturalidade’ é coisa aprendida, cultural… Logo, PAREM DE ENSINAR QUE É ANORMAL USAR AASI/IC/BAHA! Simples assim.
      Beijos pros seus 3 lindos.

  2. Andressa disse:

    Nossa fazia tempo que eu não dava uma sapeada por aqui, a minha vida novamente deu uma virada de cabeça p baixo mas graças a Deus já está com seu eixo quase no lugar…o post me chamou atenção pois eu tinha pavor em imaginar ficar careca novamente e pensar no IC…pois bem fiquei sem meus longos cabelos e não foi nada traumático deixar meu amado IC a vista de todos, não sei o que mais chamava atenção se era a careca ou o IC, acredito que foi o IC pois fui mais argumentada sobre ele do que o porquê da careca…heheh. Acho que quando algo te traz um benefício enorme como o IC é até gostoso fazer exibicionismo…rsrsr, e a vida é assim temos que rir dela e das peças que ela nos prega…qualquer hora vou postar uma fotinha do meu IC desnudo…rsrsrrs
    😀

    • laklobato disse:

      Acho que, no seu lugar, ia gostar do IC roubar a atenção da careca. Assim, falaria do que eu gosto de falar hahahaha que bom que sua vida voltou pros eixos. Falei de vc outro dia, pq vc é a unica pessoa que teve uma ativação mais satisfatória que a minha hihi Beijos

  3. leticia disse:

    obrigada lak 😳 😉

  4. leticia disse:

    Como já te disse muito bom ter vc e Fernanda em meu mundo,obrigada por me fazer se sentir igual a todos.
    Vi o seu depoimento e me emocionei demais… No meu caso quando coloquei o 2 AASI fiquei muito feliz porque pode ouvir os passarinhos cantarem. bjs 😉

  5. Camila disse:

    Eu sempre me pergunto porque o IC não é visto com os óculos, afinal os dois são mecanismos para auxiliar na utilização dos sentidos. É tão bobo isso. Quando meu filho era bebê ele era sempre convidado a fazer propagandas, e como ele é lindo de morrer e eu sou uma mãe babona, levei ele para gravar algumas propagandas, mas todas as vezes tinha que tirar o AASI para filmar, depois que ele cresceu continuaram chegando os convites para filmar, mas eu comecei a recusar, afinal não dá pra explicar pro meu filho o porque que ele tem que tirar o implante para filmar, como se fosse uma anomalia e ninguém pudesse ver. Mas é bem típico de propagandas, famílias lindas e felizes sem nenhum problema…. Fala sério! Da mesma forma quando alguém chega em mim na rua e pergunta: tadinho ele tem um probleminha na orelha? a minha resposta é sempre: Não, ele é deficiente auditivo, não tem problema nenhum e é super feliz e normal, não precisa ficar com dó não!!!!!!!!!!!

  6. Andrea disse:

    Aí Lak,
    Eu uma cavalona de 32 anos me sentia com vergonha (hoje não mais),
    Imagina uma menina de nove.
    Ainda bem que você pode ajudá-la.
    Do meu convívio só eu sou diferente nesse quesito….
    Tem gente com várias diferenças chatas em outros âmbitos como personalidades, mas problema físico só eu…queria ter mais amigos para não me sentir tão só..rs
    Beijocas.

  7. Rosa disse:

    🙂 Hj com 9 anos de AASI de minha filha. Sempre levamos a vida bem tranquila…assim como todas as bonecad tinham nome imaginei que o AASI tbem deveria ter um nome…atr jh chamamos de Otacilio…pois indica vida e vida com qualidade…minha filha q hj esta com 11 anos nunca teve vergonha do Otacilio(AASI)…para nos ele realmente e um par de personagem q nao viveriamos sem.Obrigafa Senhor por existir o AASI…FM…IC…

    • laklobato disse:

      Hahahahaha e eu achando que era a única a dar nomes pros meus AASIs! Com o IC não fiz isso, mas meus AASIs de adolescência tb tinham nome! hahaha
      Sua filha não tem vergonha, provavelmente porque aprendeu isso com você. E, acredite, saber ensinar isso é um talento raro!
      Beijos pra você pra sua filha e pro Otacilio

  8. Fernanda disse:

    Oi Lak, vi seu blog pela primeira vez… E me emocionei com seu depoimento que você fez! Lindoo! Continue assim beijos! Você é especial para todos! 😛

  9. Crisaidi disse:

    Letícia, oi!

    Sabe, me lembro que na escola, todas tínhamos inveja de uma menina ‘charmante’ que usava óculos… ahhhh, todas queríamos ser como ela e usar óculos!

    O mesmo ocorreu com uma que quebrou o pé e usou gesso… ou aquela que usava aparelho nos dentes!

    Na verdade, nada disso poderia ser importante! Na verdade, o charme, o encanto estava nessas pessoas que, por acaso, usavam aparelho, gesso…

    VOCÊ é importante! Nada pode ser tão importante a ponto de apagar seu charme e encanto, certo?