Teste da Orelhinha

Quem tem filho pequeno, já deve ter ouvido falar nesse teste. Mas que ainda está planejando um, vale a pena se informar sobre o teste de audição feito logo que o bebê nasce.

Esse teste é importantíssimo, pois quanto mais cedo se souber da perda auditiva do bebê, mais cedo se corrige a deficiência e menores serão as sequelas a longo prazo.

Hoje, li uma notícia (graças Leila) que explica bem o que é o esse exame:

Teste para evitar risco de surdez

Projeto nas mãos do prefeito Eduardo Paes propõe tornar ‘teste da orelhinha’ obrigatório na rede pública municipal
Rio – Fundamental para detectar problemas auditivos em recém-nascidos, o ‘teste da orelhinha’ pode se tornar obrigatório no Município do Rio. Projeto do vereador Bencardino (PRTB), aprovado dia 18 em segunda instância na Câmara, prevê que o exame seja feito em maternidades e hospitais municipais onde for realizado o parto. O projeto deve ser enviado esta semana para o prefeito Eduardo Paes. Assim que receber, Paes terá 13 dias para sancionar ou não.

Segundo Bencardino, estudo feito pela prefeitura aponta que uma das principais causas de reprovação escolar são os problemas auditivos. Com o projeto, o vereador pretende diagnosticar precocemente o mal e evitar que as crianças tenham problema na fala. Bebês com dificuldade de audição que recebam tratamento até os seis meses de idade conseguem desenvolver linguagem muito próxima a de uma criança ouvinte.

“O objetivo é que o bebê só saia da maternidade com o exame feito, assim como ocorre com o teste do pezinho. Se for aprovado, o projeto não vai ficar caro para os hospitais aderirem. É melhor resolver o problema logo no início, para não ficar mais caro depois”, disse.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que, a cada 10 mil bebês, 30 têm perda auditiva. No Brasil, em cada grupo de mil nascidos, um é surdo e entre dois a seis bebês nascem com problemas auditivos. De acordo com Cláudio Coelho, membro da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, o teste da orelhinha (emissão otoacústicas) é indolor e é feito com o bebê dormindo. Ele explica que o grau de audição é medido através de um fone que emite sons fracos e depois recolhe as respostas que a orelha do bebê produz.

“O teste da orelhinha pode descobrir no primeiro dia de vida se a criança apresenta algum problema auditivo. Se o exame for feito precocemente, possibilita uma maior reabilitação. Se o resultado do primeiro teste não for satisfatório, o exame pode ser repetido de 15 a 30 dias após o primeiro”, explica o especialista.

Fonte:  Portal O DIA

Informação para o bem estar da família  nunca é demais, né?

Beijinhos,

Lak

22 palpites

  1. Leila disse:

    Óia que tou lendo seu blog, viu?
    Informação importante, né? Tomara que sancione.

    Beijokas!

    😮

  2. Adriana disse:

    A única coisa que me angustiou lendo esse post é que, de repente, me dei conta de que, pasme, agora só me restam os netinhos!!!!!! pra levar pra fazer o teste! Eu, avó!!!! 😮 Onde é que eu estava quando o tempo passou? Brincadeirinhas e aflições à parte, oxalá esse projeto seja aprovado e se estenda a todos os cantos do país. Beijoca pra você.

  3. Elisabeth disse:

    Aqui na minha cidade (Santos – SP), o teste é gratuito na rede pública, mas não é realizado na maternidade, o projeto de lei ainda não foi aprovado para que ele seja obrigatório.

    Bjus.

  4. Fernanda Grossl disse:

    Oi Laksmi, tudo bem?
    Então, antes de qualquer coisa eu gostaria de parabeniza-la pela iniciativa de orientar e mostrar as pessoas uma realidade talvez dificil de ser compreendida.
    Sou de Santa Catarina, estou trabalhando em cima do meu TGI, vou me formar ano que vem em Design Industrial. Minha irmã é deficiente auditiva, e por milhoes de motivos que voce mesma ja deve imaginar, o tema que eu escolhi para o desenvolvimento do meu projeto é exatamente este que voce vem abordando.
    Acho que você poderia me ajudar muito, se não for atrapalhar, gostaria de manter contato com voce, meu e-mail e meu msn é: fer_grossl@hotmail.com, ficaria muito feliz em conversar com voce, aguardo retorno.
    Grande beijo
    🙂

  5. Leila disse:

    Sei, somos parceiras! hihihi 😎

  6. Guillermo Diego Basáñez disse:

    Oi La!!!
    É uma pena que os governantes não se atenham aos dados que quanto mais cedo comecem as prevenções, menos gastos e menos doentes teremos,não?
    Mas é graças á pessoas como você, que batalham por melhorias, cobram, denunciam, que eles mudam de opinião.
    Parabéns pelo seu belo trabalho!

    Diego

  7. Adriana disse:

    Você não apanha, não Lakshimi! O problema é que pelo menos um deles já declarou, em alto e bom tom, que quer sim, ter filhos. A maluca, ´durante uns tempos, dizia que queria ter 3. Pode? Vai ver ela se inspirou na história da mãe: juntando os meus, os dele e o nosso, são 4. Mais uma vez eu me pergunto: onde é que eu estava com a cabeça? ahahaha

  8. Rogério disse:

    Do alto de minha santa ignorância, só conhecia o chamado teste do pezinho. Valeu a informação, já repassei para todas os amigos e amigas que se encontram em “estado interessante” para que estejam atentos.
    Um beijo, linda. À noite vou te mandar um e-mail (recebeu aquele dos “derrotados”?), pois gostaria de tratar de alguns assuntos com você, o caso da Leila inclusive.

  9. Jairo Marques disse:

    Algo tão útil e fundamental à saúde pública, para o futuro das pessoas, não deveria ter projeto de lei… deveria ter um decreto presidencial urgente, urgentísso… discutir o quê?! Belo serviço… beijos

  10. Olivia disse:

    Hola Lak, adorei o nome do “teste da orelinha”. Só pode ser no Brasil mesmo. O Brasil que amo e sinto tantas saudades.
    Eu passei um tempo sem entrar no teu blog, nao tenho tempo más gosto muito do teu espaço, como escreve, o que escreve e porque escreve.
    Eu deixei um comentario no post do implante coclear. Veja-o
    Te mando um beijo grande

  11. Ana Paula disse:

    Essa informação é muito importante Lak!

    Aliás, pouca gente no Brasil sabe disso, e também não é todo hospital no Brasil que tem esse teste.
    O obrigatório no Brasil no SUS é somente o teste do pezinho.

    Bom a futura mamãe aqui em Londres, assim que a minha medica me inscreveu em uma maternidade aqui, recebi pelo correio um folheto que explica os examos durante a gravidez e exames quando a criança nasce.
    O rebento nascido faz testes de visão, audição, o teste do pezinho e teste de coordenação motora. Fora o teste de probabilidade de sindrome de down ainda na gestação. Se positivo, o teste é um pouco mais invasivo – que é indicado somente em ultimo caso e se a gestante quiser, porque algumas vezes, mesmo com chance pequena, acaba ocorrendo aborto.
    A criança mal sai da barriga da mãe e vai pra essa bateria de exames. Ô dó! rsrsrs!
    Mas é necessário.

    • laklobato disse:

      Sim, especialmente considerando-se que algumas deficiencias, se corrigidas a tempo, tem sequelas mínimas. Esse teste da orelhinha mesmo, é essencial e faz uma diferença enorme na qualidade de vida da criança, independemente de quererem implantá-la, colocar prótese auditiva nela ou até ensinar Líbras desde a mais tenra idade. Portanto, não deveria ter discussão pra entrar no rol de exames obrigatórios, deveria ser e ponto.

  12. Elizabeth Villeraze disse:

    Muito informativo o post, Lak. Que bênção para as gerações futuras!