UFRJ é credenciada a fazer cirurgia de implante para surdez pelo SUS

Notícia e tanto para os cariocas!

Como o título do post já explica muito bem, finalmente os cariocas não vão mais precisar se deslocar para poder fazer o Implante Coclear pelo SUS. O que é importantíssimo, já que nem todo mundo pode pagar e muito convênio dá uma verdadeira dor de cabeça para cobrir a cirurgia (e tem o inconveniente de não cobrir ativação nem mapeamento, que custa pesado pagar isso do bolso, viu?).

Mas agora… ah, vale ler a notícia na íntegra:

No dia 18 de dezembro de 2009, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) foi credenciado, pelo Sistema Único de Saúde, a fazer a cirurgia de implante coclear, também conhecido como ouvido biônico. O hospital é o único lugar no estado do Rio de Janeiro a prestar tal serviço. Agora, os pacientes não são mais obrigados a se deslocar a São Paulo para realizar a cirurgia.
A professora Maria Isabel Kós, chefe do Serviço de Fonoaudiologia do HUCFF e coordenadora do Programa de Saúde Auditiva, explica que o implante coclear permite aos surdos que a audição seja quase que completamente restaurada. Para realizar o procedimento é necessário que o problema se localize na cóclea, órgão do ouvido interno que transforma sons em impulsos elétricos. Quase 99% das perdas auditivas enquadram-se neste caso, e podem ter causas variadas, como meningite e rubéola, além de doenças genéticas.
O procedimento consiste em implantar eletrodos no ouvido interno, que farão o papel da cóclea. Externamente, é colocado um aparelho que capta os sons do ambiente e os manda, por uma antena, para a parte interna. O som produzido é diferente do captado pelo ouvido normal, mas permite resultados muito além do aparelho de audição convencional.
“O tratamento é realizado em conjunto com o Serviço de Otorrinolaringologia, coordenado pelo professor Shiro Tomita, e vai desde uma avaliação da perda auditiva, com a audiometria, até testes como a tomografia e a ressonância magnética. Antes da cirurgia, o paciente conversa com psicólogos e faz também uma avaliação de saúde para atestar a possibilidade de receber anestesia geral”, explica a professora Maria Isabel. A ativação do aparelho não é feita logo após a cirurgia, para que o corte possa cicatrizar. Depois de um mês ele é ativado e o paciente deve fazer tratamento fonoaudiológico para aprender, ou reaprender, a ouvir.
Após a cirurgia, ele deve comparecer mensalmente ao hospital para a calibração dos eletrodos. O tratamento todo é custeado pelo SUS, que antes de credenciar o HUCFF concedia o transporte até São Paulo. Este era um tempo longo que trazia custos tanto para pacientes quanto para a prefeitura. Agora, com a possibilidade de tratamento no Hospital Universitário, mais pessoas podem ter esse benefício.

No dia 18 de dezembro de 2009, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) foi credenciado, pelo Sistema Único de Saúde, a fazer a cirurgia de implante coclear, também conhecido como ouvido biônico. O hospital é o único lugar no estado do Rio de Janeiro a prestar tal serviço. Agora, os pacientes não são mais obrigados a se deslocar a São Paulo para realizar a cirurgia.

A professora Maria Isabel Kós, chefe do Serviço de Fonoaudiologia do HUCFF e coordenadora do Programa de Saúde Auditiva, explica que o implante coclear permite aos surdos que a audição seja quase que completamente restaurada. Para realizar o procedimento é necessário que o problema se localize na cóclea, órgão do ouvido interno que transforma sons em impulsos elétricos. Quase 99% das perdas auditivas enquadram-se neste caso, e podem ter causas variadas, como meningite e rubéola, além de doenças genéticas.

O procedimento consiste em implantar eletrodos no ouvido interno, que farão o papel da cóclea. Externamente, é colocado um aparelho que capta os sons do ambiente e os manda, por uma antena, para a parte interna. O som produzido é diferente do captado pelo ouvido normal, mas permite resultados muito além do aparelho de audição convencional.

“O tratamento é realizado em conjunto com o Serviço de Otorrinolaringologia, coordenado pelo professor Shiro Tomita, e vai desde uma avaliação da perda auditiva, com a audiometria, até testes como a tomografia e a ressonância magnética. Antes da cirurgia, o paciente conversa com psicólogos e faz também uma avaliação de saúde para atestar a possibilidade de receber anestesia geral”, explica a professora Maria Isabel. A ativação do aparelho não é feita logo após a cirurgia, para que o corte possa cicatrizar. Depois de um mês ele é ativado e o paciente deve fazer tratamento fonoaudiológico para aprender, ou reaprender, a ouvir.

Após a cirurgia, ele deve comparecer mensalmente ao hospital para a calibração dos eletrodos. O tratamento todo é custeado pelo SUS, que antes de credenciar o HUCFF concedia o transporte até São Paulo. Este era um tempo longo que trazia custos tanto para pacientes quanto para a prefeitura. Agora, com a possibilidade de tratamento no Hospital Universitário, mais pessoas podem ter esse benefício.

Link da noticia: Olhar Vital.

Meu pai tinha me pedido essa informação recentemente e vai gostar da notícia!!

Beijinhos sonoros,

Lak

18 palpites

  1. fabiana disse:

    É a dominação do mundo Lakinha ! ! 😉 😛 🙂

  2. Conceição Hernandes disse:

    Boa Tarde!
    Tenho perfuração da membrana do timpano do ouvido esquerdo e não ouso nada neste ouvido, como posso me inscrever para essa cirurgia?

    • laklobato disse:

      Seria uma boa você entrar no link da noticia original e entrar em contato com a UFRJ (ou pelo menos com o pessoal que faz o site) para se informar, porque não tenho o contato deles ainda.
      Boa sorte
      Beijocas

  3. Gisele disse:

    Lak, tenho lido vc sempre, mas muito rapidinho, sem conseguir comentar.
    Hoje, com mais tempo, não resisti.
    Suas narrativas sobre voltar a ouvir são perfeitas, adoro ver seu progresso a cada dia.
    Beijo grande,

  4. Eba!! Saber que já tá começando é o primeiro passo…

  5. victor disse:

    como fazer a cirurgia ?

  6. Luiza disse:

    Oi Lakinha querida,
    Minha irmã trabalha na UFRJ, e ela está vendo com alguns amigos do HU, qual o caminho das pedras…Bom, eu estou na espectativa e achar uma porta favorecida por alguma assistente social conhecida dela. O problema é que a maior parte do povo está em férias, inclusive ela. Porém sabendo de como funciona o processo, loguinho passo pra você…
    Já estou com o coração batendo em compasso mais acelerado!!!
    Beijo

    • laklobato disse:

      Luiza, eu agradeceria muito a informação mais detalhada, pra poder divulgar no blog. Quando e se você puder me repassar, eu agradeço muito.
      No mais, torcendo muitão por vocês, sempre!
      Beijo imenso

  7. GOSTARIA MUITO DE AJUDAR MINHA MANINHA, COMPREI DOIS APARELHO PARA ELA MAS POUCO ADIANTOU. OUVE QUASE NADA… SERA QUE CONSIGO, Lak ???

  8. Alexandre disse:

    👿 ola Lak poderia por gentileza me informar onde posso encontrar informações do implante em sp,, pois estou totalmente por fora …aguardo desde já obrigado….

  9. Ta muito dificil. não consigo marcar nada pelo Sus !!!